Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Funcionário externo da NSA detido por “roubo de informações secretas”

  • 333

Harold Thomas Martin III trabalharia na sede da NSA em Fort Meade, estado de Maryland

BRENDAN SMIALOWSKI

Detenção de Harold Thomas Martin III pelo FBI aconteceu em agosto, mas só foi noticiada este fim de semana pelo “New York Times”. Advogado do suspeito, que enfrenta dez anos de prisão, diz que “não há provas” de que o seu cliente tenha “traído o seu país”

O FBI deteve em agosto um funcionário externo da Agência de Segurança Nacional (NSA) norte-americana contratado pela Booz Allen Hamilton, a mesma empresa de consultoria tecnológica que empregava Edward Snowden à data das suas revelações sobre programas de vigilância secreta e massiva de cidadãos norte-americanos em 2013.

A notícia foi inicialmente avançada no domingo pelo “New York Times”, citando fontes das autoridades de segurança norte-americanas. Harold Thomas Martin III é acusado de roubar propriedade governamental e informações “altamente confidenciais”, em particular códigos de computador desenvolvidos pela agência secreta para aceder secretamente às redes de governos estrangeiros.

De acordo com o Departamento de Justiça norte-americano, o homem de 51 anos tinha em sua posse, à data da detenção, uma série de documentos secretos da NSA, seis deles classificados como “altamente confidenciais”, o que “significa que a sua divulgação não-autorizada pode razoavelmente ser antecipada com o objetivo de causar danos excepcionalmente graves à segurança nacional dos EUA”, aponta o Ministério na queixa-crime formalizada contra o americano, a que o “Washington Post” teve acesso.

Martin foi detido dois dias depois de a sua garagem e carro terem sido alvos de buscas a 27 de agosto em Glen Burnie, cidade do estado de Maryland onde vive. O FBI diz que Martin primeiro negou ter retirado os documentos dos sistemas da NSA mas que mais tarde admitiu o roubo.

Ao “Baltimore Sun”, James Wyda, o advogado do suspeito, disse não haver provas do alegado crime de “traição” aos Estados Unidos. “Não existem provas de que Hal Martin tenha traído o seu país. O que sabemos é que Hal Martin adora a sua família e o seu país. Ele tem servido esta nação honrosamente na Marinha e tem dedicado a sua vida inteira a proteger o seu país.”

Martin enfrenta até 10 anos de prisão por roubo de propriedade governamental e até um ano de prisão extra por remover “materiais confidenciais” dos sistemas da NSA. Segundo o NYT, o funcionário da Booz Allen é suspeito do roubar o “código-fonte” desenvolvido pela NSA para aceder secretamente aos sistemas computorizados da Rússia, China, Irão e Coreia do Norte.

“Uma grande percentagem dos materiais recuperados da residência e veículo de Martin indica que são propriedade dos Estados Unidos e que contêm informação altamente confidencial dos EUA”, diz Jeremy Bucalo, agente especial do FBI envolvido no caso. “A divulgação desses documentos revelaria fontes sensíveis, métodos e capacidades” da NSA.

Ao mesmo jornal, John Carlin, alto funcionário do Departamento de Justiça, diz que a detenção de Martin sublinha a ameaça representada por insiders.