Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA acusam Israel de planear construção de novo colonato

  • 333

Construção de novas casas no colonato de Neve Yaakov, em Jerusalém Oriental

AHMAD GHARABLI/AFP/Getty Images

Israel diz que apenas está prevista a construção de 98 novas casas num colonato já existente, mas a Casa Branca acredita que os planos israelitas podem colocar em causa os esforços para a paz no território

A Casa Branca acusa Israel de estar a sabotar a solução de dois Estados para resolver o conflito israelo-palestiniano, ao autorizar a construção de 300 novas casas e de uma zona industrial no território ocupado da Cisjordânia.

Israel negou as acusações de que tem planos para instalar um novo colonato na região, dizendo tratar-se de um projeto que envolve a construção de menos de 100 fogos dentro de um colonato já existente.

“Os 98 fogos aprovados em Shilo não representam um 'novo colonato'. Estas casas serão construídas... no colonato de Shilo e não vão modificar quer os limites municipais quer a sua implantação geográfica”, confirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita.

“O verdadeiro obstáculo à paz não são os colonatos - um problema que pode e deve ser resolvido entre as partes envolvidas - mas sim a permanente rejeição de um Estado judaico, independentemente das fronteiras em causa, por parte dos palestinianos”, concluiu o MNE israelita.

A reação de Israel surgiu logo após as declarações do porta-voz da Casa Branca, Josh Earnst, que afirmou que as intenções do Governo israelita de construir um novo colonato podem “comprometer os esforços para a paz”.

É “profundamente perturbador” que este anúncio tenha surgido menos de um mês depois dos EUA terem acordado pagar a Israel 34 mil milhões de euros, em ajuda militar, durante a próxima década, confirmou o porta-voz do Departamento de Estado americano, Mark Toner.

Cerca de 570 mil israelitas vivem em mais de 100 colonatos construídos por Israel desde que iniciou a ocupação dos territórios palestinianos da Cisjordânia e Jerusalém Oriental em 1967.