Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Passos Coelho: Eleição de Guterres é um “resultado de júbilo” para Portugal

  • 333

Rui Duarte Silva

Líder do PSD disse querer felicitar publicamente o Governo pela “relevância” que teve em todo o processo, assim como a diplomacia portuguesa, nomeadamente o embaixador de Portugal em Nova Iorque, Mendonça e Moura

O líder do PSD considerou que a eleição de António Guterres no Conselho de Segurança para secretário-geral das Nações Unidas “é histórico para Portugal”, sublinhando o papel que o Governo e a diplomacia portuguesa desempenharam no processo.

“É histórico para Portugal, é a primeira vez que um português terá este lugar tão relevante”, afirmou o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, em declarações aos jornalistas no Palácio de Belém, no final da cerimónia de condecoração do ex-presidente do Tribunal de Contas Guilherme d'Oliveira Martins, do anterior presidente do Tribunal Constitucional Joaquim Sousa Ribeiro e do histórico dirigente socialista Manuel Alegre.

Sublinhando que se trata de um “resultado de júbilo” para o país, Passos Coelho disse querer “publicamente expressar as congratulações do PSD” ao Governo, “que teve relevância em todo o processo”, bem como à diplomacia portuguesa, nomeadamente ao embaixador de Portugal em Nova Iorque, Mendonça e Moura, que esteve “na primeira linha de todo este trabalho da diplomacia portuguesa”.

Passos Coelho reiterou ainda que António Guterres era “manifestamente o melhor candidato de todos os que se apresentaram”, considerando que “irá encher Portugal de orgulho” nos próximos anos pela forma como irá liderar as Nações Unidas.

Questionado se o surgimento, a meio do processo eleitoral, da candidatura da comissária europeia para Orçamento e Recursos Humanos, Kristalina Georgieva, apoiada por Bulgária e Alemanha, poderá vir a fragilizar as relações entre Portugal, a comissão europeia e a Alemanha, o líder do PSD disse ter a certeza que não.

Passos Coelho, admitiu, contudo, que o facto de ter havido uma candidatura de última hora, ainda por cima de uma pessoa que era vice-presidente da comissão europeia, não foi “um processo nem bonito, nem que deva ficar como uma boa prática para futuro”.

“Não creio que valha a pena agora ficar a olhar para trás para esse episódio que lamento profundamente que tenha acontecido. Mas não creio que tenha importância suficiente para afetar as relações entre Portugal e os outros países”, argumentou, considerando que, de certa forma, a votação de hoje acabou por ser penalizadora para a própria candidata.

Quanto à possibilidade de Angela Merkel ter ficado “mal vista” nesta situação, Passos Coelho admitiu ter ficado surpreendido com o seu apoio de última hora a outra candidatura. “Registamos aquilo que se passou, mas ainda com mais satisfação o resultado que está em linha com o nosso desejo e portanto, se conseguimos aquilo que desejávamos, não vejo que hoje devamos estar a manifestar qualquer ressabiamento”, sustentou.

Passos Coelho foi ainda questionado sobre o apoio do ex-eurodeputado do PSD Mário David a Kristalina Georgieva, mas desvalorizou a questão. “Isso não tem qualquer relevância sinceramente, o doutor Mário David não tem um lugar de representação do PSD que pudesse transformar-se em qualquer embaraço para posição pública do PSD”, disse.

O Conselho de Segurança anunciou esta quarta-feira que António Guterres é o “vencedor claro” da votação, recebendo 13 votos de encorajamento (em 15 votos), sem qualquer veto.

Este órgão, com poder de veto, deverá aprovar na quinta-feira uma votação a indicar o nome de António Guterres para a Assembleia-Geral das Nações Unidas, formalizando assim a eleição do sucessor de Ban Ki-moon.

Guterres vai liderar, a partir de janeiro, uma casa que conhece bem, depois de ter chefiado o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), entre junho de 2005 e dezembro de 2015, uma organização com cerca de 10.000 funcionários em 125 países.