Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Hungria. Maioria vota contra quota de refugiados, mas referendo é inválido

  • 333

Pablo Blazquez Dominguez/GETTY

Taxa de participação foi inferior a 50% e tinha de ser superior para a votação ser considerada. Presidente húngaro diz que, mesmo assim, não vai aceitar as regras impostas pela União Europeia

O referendo que a Hungria realizou este domingo sobre a quota de refugiados a entrar no país foi considerado inválido. Segundo Gergely Gulyás, o vice-presidente do Fidesz, o partido no Governo, a participação foi de cerca de 45% e teria de ser superior a 50%.

Contudo, 95% dos que votaram fizeram-no contra as quotas impostas pela União Europeia, ou seja, responderam não à pergunta “A Europa deve ditar a instalação obrigatória de cidadãos não-húngaros na Hungria mesmo sem acordo da Assembleia Nacional?”

Ora, para o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbáno, isto mostra uma clara vontade de travar os refugiados de entrar na Hungria e é, por isso que, mesmo que o referendo não seja considerado válido, Orbán já disse que irá criar um enquadramento político alternativo, em que o Parlamento húngaro terá a palavra definitiva.

Ou seja, a Hungria prepara-se para não aceitar as regras da União Europeia e, dessa forma, travar a entrada de refugiados no país, em parte ou mesmo na totalidade.

“É sempre melhor um referendo válido que um inválido, mas as consequências legais serão aplicadas. Isto só depende apenas de uma coisa: de existirem mais nãos do que sins", assegurou Órban.

Contudo, a Comissão Europeia (CE) pensa de forma diferente e defende que o resultado não pode mudar os compromissos legais assumidos pela Hungria.

Segundo o que ficou definido pela CE, dos 160 mil migrantes que têm de ser recolocados em vários países da União Europeia, 1.249 ficariam na Hungria. Mas Orbán não concorda e, além de ter marcado um referendo, encetou uma campanha dispendiosa a favor do "não", que até foi criticada pela Aministia Internacional.

  • Viktor Órban já votou. E as sondagens diminuem a margem de vitória do seu Governo

    De acordo com as sondagens 42% dos húngaros irão votar Sim à complexa pergunta que este domingo está a ser referendada: “ "A Europa deve ditar a instalação obrigatória de cidadãos não-húngaros na Hungria mesmo sem acordo da Assembleia Nacional?” Se esse número aumentar e mais de 50% participarem e votarem Sim, o Governo do populista Viktor Órban e a sua campanha de repúdio aos refugiados sairão derrotados

  • Sim e não: a resposta “estúpida” à pergunta “sem sentido”

    A Hungria realiza este domingo um referendo sobre o plano de relocalização dos refugiados na União Europeia. Há quem não perceba simplesmente a pergunta do referendo e há quem, percebendo-a, afirme que é disparatada. E depois há os que entendem que, acima de tudo, há que recusar a hipótese que ela coloca - serão, ao que tudo indica, a maioria. A história de uma votação que muitos veem como mais uma espada política do “grande cruzado antiMerkel”, Viktor Orbán