Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Prisões preventivas” antecederam funeral de Shimon Peres

  • 333

O Presidente norte-americano Barack Obama, ao lado do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu

ABIR SULTAN/EPA

Líderes mundiais participam esta sexta-feira em Jerusalém no funeral do ex-Presidente israelita. O Presidente palestiniano Mahnoud Abbas está presente, apesar do apelo do Hamas para que reconsiderasse. Portugal está representado pelo ministro Augusto Santos Silva

As medidas de segurança que antecederam o funeral de Shimon Peres levaram a “prisões preventivas” e ao fecho de estradas em Jerusalém. 8 mil agentes foram colocados em diversos pontos da cidade.

Com a presença de 34 chefes de Estado e de Governo, são as maiores cerimónias funebres a terem lugar no país após as do ex-primeiro-ministro Itzhak Rabin, que foi assassinado por um judeu extremista em 1995.

O Presidente palestiniano Mahmoud Abbas é um dos presentes, sendo a sua primeira visita a Israel desde 2010. O porta-voz do Hamas apelara para que reconsiderasse, descrevendo Peres como um “criminoso”. Abbas disse que, apesar do fracasso das conversações de paz, decidiu assistir às cerimónias para honrar o empenhamento de Peres, “um parceiro na construção da paz dos bravos”, e para enviar uma “forte mensagem à sociedade israelita e aos palestinianos pela paz”.

Portugal está representado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. O Presidente norte-americano, Barack Obama, que em 2012 distinguiu Peres com a Medalha da Liberdade, aterrou em Israel esta sexta-feira de manhã. O Presidente francês, Francois Hollande, e o seu homólogo alemão, Joachim Gauck também se encontram entre os líderes mundiais que participam no funeral. A Jordânia e o Egito, os únicos dois países árabes que assinaram acordos de paz com Israel, enviaram representantes.

Os restos mortais de Shimon Peres foram transportados ao início desta sexta-feira do parlamento para o cemitério do Monte Herzl, em Jerusalém. Escoltado por uma coluna de veículos policiais, o carro fúnebre percorreu as ruas de Jerusalém até chegar ao seu destino final, situado no sudoeste de Jerusalém, onde se encontram enterrados os "grandes da nação".

O ex-Presidente de Israel e Nobel da Paz, Shimon Peres, morreu na quarta-feira, depois de ter sofrido um acidente vascular cerebral (AVC) a 13 de setembro.

  • Morreu Shimon Peres, um dos últimos “pais fundadores” de Israel

    Nascido em 1923 na atual Bielorrússia, era uma das últimas figuras que restavam da primeira geração do Estado hebraico. Integrou 12 Governos, duas vezes como primeiro-ministro, antes de assumir a presidência do país entre 2007 e 2014. Foi laureado com o Nobel da Paz em 1994. Tinha 93 anos

  • Shimon Peres: dormindo com o inimigo

    Em 1993, a redação do Expresso elegeu Shimon Peres como Figura Internacional do Ano pelo papel então desempenhado nos acordos de Paz assinados em a 13 de setembro por Yitzhak Rabin, primeiro-ministro de Israel, e Yasser Arafat, líder da Organização de Libertação da Palestina, nos jardins da Casa Branca, em Washington. No dia da morte de Peres, o Expresso republica um artigo do jornalista José Cardoso na Revista do Expresso de 24 de dezembro desse ano, que revelou os meandros das negociações e traçou o perfil do, à época, chefe da diplomacia israelita