Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tailândia ameaçou prender ativistas da Amnistia Internacional

  • 333

GETTY

O lançamento de um relatório de denúncia da propagação de uma “cultura de tortura” após a instituição do regime militar na Tailândia deveria ocorrer esta quarta-feira mas foi inviabilizado

A Amnistia Internacional (AI) cancelou a apresentação pública do seu relatório sobre tortura na Tailândia, após a polícia de Banguecoque ter advertido que os membros da organização poderiam ser presos por violação das condições impostas pelos seus vistos .

O documento denúncia 74 casos de tortura e outros maus tratos, com recurso a métodos como espancamentos e afogamentos simulados, levados a cabo por soldados e pela polícia após a instauração do regime militar.

O general Sansern Kaewkamenrd, porta-voz do primeiro-ministro tailandês, nega contudo as acusações. “As nossas investigações relativas a tais alegações não mostraram quaisquer indícios de tortura”, afirmou em declarações à agência Reuters.

Denominado como Concelho para a Paz e Ordem, o regime militar instituído em 2014 perseguiu e prendeu opositores, e instituiu a censura aos media.

Horas antes da conferência de imprensa de apresentação do relatório, Nadthasiri Bergman, conselheiro legal da AI, indicou que as autoridades “insistiram que não estavam a impedir o evento, mas frisaram que caso os representantes da Amnistia falassem haveria consequências“, nomeadamente que “eles seriam sujeitos a prisão e indiciados no âmbito das leis laborais tailandesas”.

O responsável da AI na Ásia Omar Waraich indicou contudo que os seus funcionários possuem vistos de trabalho e que a organização tem um gabinete naquele país.

“Nós sabemos que o governo tailandês não aceita muito bem as criticas. Mas no século XXI não se pode calar as pessoas, por muito que se tente. Eu penso que eles provavelmente deram-nos mais destaque do que se tivessem, pacificamente, deixado exercer o nosso direito à liberdade de expressão”, afirmou por seu turno Yuval Gimbar, um dos autores do relatório, em declarações citadas pelo “The Guardian”.