Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Chamou o 112 e acabou por ser agredido pela polícia e morrer

  • 333

É mais um caso de um afro-americano desarmado a morrer em sequência da atuação policial. Aconteceu em Baltimore. O indivíduo estaria aparentemente em estado de paranóia e pediu ajuda, mas os agentes que foram em seu auxílio acabaram por o agredir violentamente

Os registos do tribunal indicam que Tawon Boyd foi imobilizado e alegadamente repetidamente socado por cinco polícias, tendo sido posteriormente transportado de ambulância para o hospital, onde acabou por falecer nos cuidados intensivos. Aconteceu em Baltimore na quarta-feira passada.

Apesar dos resultados da autópsia ainda não serem conhecidos, tudo indica que este será mais um caso de um afro-americano desarmado a morrer em sequência da atuação policial, com a particularidade da polícia ter ocorrido ao local em resposta ao pedido de ajuda que a vítima fez para o 112.

De início as autoridades indicaram que a chamada fora feita pela namorada de Boyd, mas entretanto foi esclarecido que essa informação estava incorreta, e entretanto os dados da polícia e os apresentados pelo advogada da família da vítima, Deona Styron, passaram a coincidir nesse ponto.

O relatório da polícia refere que o indivíduo se apresentava “confuso e paranóico” e que disse aos agentes que havia um intruso dentro de sua casa, o que não correspondia à realidade.

Boyd tentou depois entrar em dois carros da polícia, em seguida acorreu à casa de um vizinho, batendo à porte e gritando “Ajuda. Chame a polícia!” Ainda segundo a versão da polícia, o indivíduo não obedeceu às ordens que lhe deram e começou a lutar com os agentes.

“Os agentes conseguiram controlá-lo usando o peso dos seus corpos para o imobilizarem no chão”, referem.

Em declarações à CBS, a advogada Deona Styron garantiu contudo que Boyd não agiu de forma violenta e que gritou: “Eu não consigo respirar, eu não consigo respirar”, enquanto era agredido pela polícia.