Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bombardeamentos russos e sírios fazem pelo menos 25 mortos em Alepo

  • 333

KARAM AL-MASRI/GETTY

Pelo menos 25 civis morreram em raides aéreos russos e sírios na zona oriental da cidade de Alepo, controlada pelos rebeldes, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos

Pelo menos 25 civis morreram em raides aéreos russos e sírios na zona oriental da cidade de Alepo, controlada pelos rebeldes, no segundo dia de intensos ataques governamentais, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Teme-se que o número de vítimas aumente porque há pessoas presas nos escombros, acrescentou o observatório, sediado em Londres.

Os ataques ocorreram pela segunda noite, depois de Damasco anunciar, ao final do dia de quinta-feira, uma operação para recuperar o controlo de toda a cidade, atualmente dividida entre o governo e os rebeldes.

Bustan al-Qasr fica na linha que divide a zona ocidental, controlada por Damasco, e a zona oriental de Alepo, controlada pelos rebeldes.

Entre os mortos estão sete pessoas mortas quando faziam fila para comprar iogurte num mercado no bairro de Bustan al-Qasr, acrescentou o grupo sediado em Londres.

Na sexta-feira, 47 pessoas morreram em bombardeamentos intensos, entre as quais sete crianças, diz o Observatório.

Os raides destruíram vários bairros, incluindo Al-Kalasseh e Bustan al-Qasr, onde algumas ruas foram quase apagadas pelas bombas.

Habitantes e ativistas descreveram o uso de mísseis que produzem tremores semelhantes a sismos e destroem edifícios até ao nível da cave, onde muitos residentes procuram proteção durante os ataques.

O observatório diz que já só há dois carros de bombeiros na cidade e estes, assim como as ambulâncias, têm dificuldades em circular pela cidade.

Sem eletricidade ou combustível para os geradores, a cidade está às escuras e é difícil circular à noite, além de que os escombros impedem a passagem em muitas ruas, havendo alguns bairros que estão intransitáveis.

Os cerca de 250 mil habitantes do leste de Alepo têm estado em circunstâncias semelhantes a um cerco desde que o governo bloqueou os acessos em meados de julho.
Uma trégua negociada entre Washington e Moscovo permitiu no início do mês alguns dias de pausa na violência, mas não chegou para que a ajuda humanitária alcançasse o objetivo.

Entretanto, o cessar-fogo foi quebrado e na quinta-feira o exército sírio anunciou a operação para recuperar Alepo.

  • Exército sírio lança nova ofensiva contra o leste de Alepo

    Especialistas antecipam que a retomada de ataques contra os rebeldes do leste, onde há mais de 300 mil civis sitiados sem comida nem medicamentos há vários meses, é o último prego no caixão do cessar-fogo alcançado pelos EUA e a Rússia a 10 de setembro