Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Deputados vão receber quase cem vezes o salário mínimo para comprarem carros

  • 333

É o último exemplo de injustiça social flagrante no Uganda, um dos países mais pobres do mundo, onde nem há dinheiro para medicamentos

Luís M. Faria

Jornalista

O governo do Uganda diz que não tem o dinheiro necessário – equivalente a uns oito milhões de euros – para substituir a única máquina de radioterapia existente no país, que se avaria constantemente. Também há uma enorme falta de medicamentos nos hospitais, e até de médicos e funcionários, agravando uma crise de saúde que já era dramática. Mas cada um dos quatrocentos deputados do país vai receber um pagamento especial de cerca de 31 milhares de milhões de shillings (a moeda local). Equivale a 12.500 euros, e destina-se a permitir aos deputados… comprarem carros novos.

Oficialmente a decisão ainda é só um projeto, mas pouca gente duvida que se tornará realidade. Quando foi noticiada, explodiram os protestos, e houve quem recorresse aos tribunais para a tentar anular. Mas o governo garantiu que o objetivo é servir melhor os cidadãos, e um deputado do seu partido disse com altivez: “A democracia é cara, e acho que estamos a ser justos com o público, pois o dinheiro que nos dão nem sequer dá para um carro novo”.

Com 37 milhões de habitantes e um salário médio de 146 euros (com desigualdades gigantescas, e para um custo de vida 30% inferior ao de Portugal), o Uganda é um dos 20 países mais pobres do mundo. Um quinto da população vive abaixo do limiar da pobreza, e muitos serviços essenciais, desde hospitais a universidades, não funcionam ou funcionam muito mal. “Quando o público vê os deputados a receberem qualquer coisa, há desilusão pública, pois o governo não cumpriu em relação aos cidadãos normais. Temos muitos deputados, e mantê-los é bastante difícil”, disse um professor no Instituto de Gestão do Uganda citado pelo diário britânico “The Guardian”.

O presidente Yoweri Museveni encontra-se no poder há 30 anos e precisa que a Constituição seja alterada para poder concorrer a mais um mandato. Assim, os deputados têm boas razões para esperar ser bem tratados. Os seus salários líquidos andam pelos 63 mil euros anuais. Fora os extras.