Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

42 mortos em naufrágio de embarcação com migrantes no Mediterrâneo

  • 333

STRINGER/ Reuters

Das 600 pessoas que faziam a travessia, 150 foram socorridas após o naufrágio, que aconteceu perto de Rosetta, costa norte do Egito

Pelo menos 42 pessoas morreram e 150 foram socorridas esta quarta-feira após o naufrágio de uma embarcação com migrantes no Mediterrâneo, perto das costas egípcias, ponto de partida de um crescente número de pessoas para uma perigosa travessia em direção à Europa.

As operações de salvamento prosseguiam para encontrar eventuais passageiros do navio de migrantes que naufragou perto de Rosetta, costa norte do Egito, indicaram responsáveis policiais à agência noticiosa France-Presse (AFP).

"Há 42 mortos", indicou à AFP o porta-voz do ministério da Saúde, Khaled Megahed, ao rever em alta o anterior balanço de 30 mortos.

Outro responsável do ministério, Adel Khalifa, referiu que entre as vítimas se incluem "egípcios, sudaneses e outras nacionalidades africanas ainda não determinadas".

O primeiro-ministro, Cherif Ismail, pediu em comunicado que sejam fornecidos "todos os cuidados necessários aos sobreviventes" e apelou à perseguição judicial "dos responsáveis do naufrágio".

Desde o início da primavera, foram socorridos um crescente número de barcos de pesca que têm partido da costa norte do Egito com centenas de pessoas a bordo, mas nunca foi registado um incidente com estas dimensões.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, as partidas de barco desde o Egito constituem 10% das chegadas à Europa.

Este naufrágio surge meses após responsáveis da agência de gestão de fronteiras da União Europeia (Frontex) terem alertado para o crescente número de migrantes que tentam alcançar a Europa a partir do Egito, um novo ponto de partida para a perigosa travessia e que surge na sequência do encerramento da rota dos Balcãs e do acordo UE-Turquia sobre migrações e refugiados.

As embarcações disponibilizadas pelos traficantes estão muitas vezes em mau estado e sobrelotadas com passageiros que pagaram a viagem.

De acordo com a ONU, mais de 10 mil pessoas morreram desde 2014 quando tentavam atravessar o Mediterrâneo em direção à Europa.

"O Egito está a tornar-se num país de partida", tinha já referido em junho o diretor executivo da Frontex, Fabrice Leggeri, numa entrevista a periódicos regionais alemães.

"Este ano, [até essa data], mil embarcações vindas Egito chegaram a Itália", disse.