Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Lula: “Provem uma corrupção minha que irei a pé para ser preso”

  • 333

Getty

Antigo Presidente brasileiro promete lutar até às últimas consequências para demonstrar a sua inocência

O antigo Presidente Lula da Silva prometeu que se entrega às autoridades se a justiça brasileira conseguir demonstrar que era o “maestro” do esquemas de corrupção da Petrobras e apresentar provas de enriquecimento ilícito. "Provem uma corrupção minha que irei a pé para ser preso", disse Lula durante uma longo discurso ao país esta quinta-feira.

Menos de 24 horas depois de ter sido acusado de corrupção pelo Ministério Público Federal (MPF) do Brasil, na sequência da Operação Lava Jato, sendo suspeito de não ter declarado a posse de um apartamento triplex de luxo em São Paulo, Lula disse que está à “inteira disposição das pessoas sérias do Ministério Público e da Polícia Federal, disposto a prestar todos os esclarecimentos”.

Lula chorou quando recordou a fome que passou na infância

Lula chorou quando recordou a fome que passou na infância

Getty

Sobre a forma escolhida pelo MPF para divulgar a acusação – uma conferência de imprensa transmitida em direto pelas televisões –, o antigo chefe de Estado brasileiro confessou ter descoberto que parte da imprensa está “mais enrascada do que pensava estar”. E explicou porquê: “Inventaram uma mentira, que está chegando no fim do prazo. Já derrubaram Dilma, já derrubaram Cunha, já elegeram Temer, agora resta destruir a vida política de Lula”.

Mas assegurou que não irão conseguir e apelou à união de todos os militantes e simpatizantes do Partido dos Trabalhadores. “Daqui para frente, cada petista nesse país tem de começar a andar de camisa vermelha. Quem não gostar, coloque de outra cor. Mas esse partido tem de ter orgulho, porque ninguém fez mais do que nós fizemos nesse país", disse Lula.

Assumindo um tom de permanente vitimização - “querem extirpar o PT da vida política brasileira, como fizeram com o Partido Comunista na década de 1950” -, Lula da Silva garantiu por diversas vezes ao longo da sua intervenção que jamais cruzará os braços: “Só Deus pode fazer-me parar de lutar por aquilo em que acredito”.