Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

China põe em órbita primeiro relógio atómico “frio”

  • 333

Em setembro de 2011, a China lançou o seu primeiro laboratório espacial, o Tiangong-1.

Lintao Zhang/Getty Images

As características do relógio tornam este acontecimento único e um importante passo para o desenvolvimento da indústria espacial chinesa

Helena Bento

Jornalista

A China vai lançar o seu primeiro relógio atómico “frio” para o espaço, informou esta quinta-feira a agência de notícias estatal Xinhua.

As características deste relógio, designado por Cold Atomic Clock in Space (CACS), tornam este acontecimento único e um importante passo para o desenvolvimento da indústria espacial chinesa. Tem sido descrito como altamente “preciso”, podendo, no máximo, adiantar ou atrasar um segundo em milhares de milhões de anos, refere o “International Business Times”. A medição do tempo com mais precisão tem impactos na nossa vida quotidiana, por exemplo, ao nível das tecnologias que dão informação sobre o posicionamento geográfico, como o sistema GPS.

“Trata-se do primeiro relógio atómico de átomos frios a ser lançado para o espaço... será usado para fins civis e militares”, afirmou Xu Zhen, investigador envolvido no projeto, em declarações ao “South China Morning Post”. O CACS será instalado no Tiangong-2, segundo laboratório espacial desenvolvido pela China, que tem lançamento marcado para esta quinta-feira, às 22h04, hora local (15h04 em Lisboa), a partir da região autónoma da Mongólia Interior, na China.

Em setembro de 2011, a China lançou o seu primeiro laboratório espacial, o Tiangong-1, ou “palácio celestial” (na tradução chinesa), que se refere ao sítio que os deuses habitam no espaço. O Tiangong-1 foi lançado a partir do deserto de Gobi (no noroeste), a bordo do foguetão não tripulado Longa Marcha 2F.

Os relógios atómicos “frios” são, por norma, mais precisos do que os relógios que funcionam com base em átomos quentes, já que se movem mais lentamente, dando mais tempo aos investigadores para chegar a resultados exatos. Os relógios atómicos, tal como todos os pêndulos, medem o tempo com base na duração do segundo, a que corresponde um fenómeno físico que se repete regularmente.

A iniciativa de lançar um relógio atómico para o espaço foi traçada pela primeira vez nos anos de 1990, por especialistas europeus, integrados no projeto Atomic Clock Ensemble in Space (ACES). Desde então, o projeto tem vindo sucessivamente a ser adiado, devido a dificuldades várias.