Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bebé nasce a bordo de navio de salvamento no Mediterrâneo

  • 333

No final tudo correu bem, mas a responsável dos Médicos Sem Fronteiras, que deu assistência ao parto, frisa que foi apenas por um feliz acaso: “Eu fico horrorizada de pensar o que poderia ter acontecido se este bebé tivesse nascido 24 horas mais cedo – naquela embarcação não apropriada para o mar, com combustível no fundo onde as mulheres se sentavam, apinhada e sem espaço para se mexerem, à mercê do mar”

Uma mulher nigeriana deu à luz esta segunda-feira a bordo do navio Aquarius, dos Médicos Sem Fronteiras (MSF), que a resgatara 24 horas antes de um embarcação insuflável sobrelotada que se encontrava à deriva no Mediterrâneo, apenas a cerca de 40 quilómetros a norte da capital líbia.

A mãe, Faith Oqunbor, começou a sentir contrações logo após ter saído da Líbia. “Eu estava muito assustada no barco insuflável com as outras mulheres e crianças (…) Em pânico pelo receio de poder entrar em trabalho de parto, eu podia sentir o bebé a mexer-se, ele movia-se para baixo e depois para cima. Eu estava a ter contrações há três dias”, afirmou, num relato citado pelos MSF.

“Foi um parto normal mas em condições anormais de perigosidade. Eu fico horrorizada de pensar o que poderia ter acontecido se este bebé tivesse nascido 24 horas mais cedo – naquela embarcação não apropriada para o mar, com combustível no fundo, onde as mulheres se sentavam, apinhada e sem espaço para se mexerem, à mercê do mar”, referiu Jonquil Nicholl, responsável da MSF que deu assistência ao parto.

A organização não-governamental referiu que não é clara a questão da nacionalidade do bebé, que os país decidiram chamar Newman Otas, uma vez que nasceu em águas internacionais.

A mãe viajava acompanhada pelo seu companheiro e pelos seus dois outros filhos, de sete e cinco anos.

Entre as 392 pessoas, que estão a bordo do Aquarius, encontram-se sete mulheres grávidas, quatro bebés com menos de um ano e 11 crianças com menos de cinco anos; 155 são menores de 18 anos, 141 dos quais viajam sem estarem acompanhados pelos pais ou por alguém que tome conta deles.

A guarda costeira italiana indicou que ao longo do passado fim de semana 3400 migrantes foram resgatados em segurança do Mediterrâneo, sendo que a maioria encontrava-se em barcos insufláveis.