Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Obama: “O modo como reagimos ao terrorismo tem importância”

  • 333

Lintao Zhang/GETTY

Quando se assinalam os 15 anos dos atentados de 11 de setembro, o Presidente dos EUA alerta contra as respostas simplistas face ao terrorismo e critica a retórica do candidato republicano à Casa Branca

O presidente norte-americano apelou este sábado, véspera dos 15 anos dos atentados de 11 de setembro, para não se ceder às respostas simplistas face ao terrorismo, numa alusão a Donald Trump que espera ser seu sucessor.

"O modo como reagimos ao terrorismo tem importância", sublinhou Barack Obama na sua prestação semanal na rádio.
"Não podemos reagir de um modo que vá corroer o próprio tecido da nossa sociedade", adiantou, a dois meses das presidenciais, que oporão o republicano magnata do imobiliário à democrata Hillary Clinton.

Segundo Obama, é diversidade dos Estados Unidos, o seu "modo de acolher todos os talentos, de tratar todos da mesma forma qualquer que seja a sua raça, sexo ou religião", que contribui para fazer dele "um grande país".

"E se permanecermos fieis a estes valores, honraremos a memória daqueles que perdemos e manteremos o nosso país livre e forte", disse ainda.

O presidente norte-americano já criticou por diversas vezes a retórica perigosa do candidato republicano à Casa Branca em relação aos muçulmanos.
Após o ataque em San Bernardino (Califórnia) em dezembro, Trump propôs a proibição temporária da entrada em território norte-americano de todos os muçulmanos.

Evocando um dos dias "mais sombrios" da história dos Estados Unidos, 11 de setembro de 2001, Obama sublinhou que muito mudou desde então.

"Matámos Usama bin Laden. Reforçámos a segurança do território norte-americano. Evitámos ataques. Salvámos vidas", enumerou.
Mas ao mesmo tempo, adiantou, referindo os atentados de Boston, San Bernardino ou Orlando, a "ameaça terrorista evoluiu".

"No Afeganistão, no Iraque, na Síria e além dela, combateremos incansavelmente as organizações terroristas, como a Al-Qaida e o grupo Estado Islâmico", disse.

"Destrui-los-emos e continuaremos a fazer tudo o que podermos para proteger o nosso país", acrescentou Obama.

Os atentados de 11 de setembro de 2001 causaram perto de 3.000 nos Estados Unidos, 2.753 em Nova Iorque.

  • “Parecia que a cidade estava coberta de neve. E de repente as torres caíram”

    Com elas ruiu uma era e começou outra. Um homem em tempos apoiado pelos EUA na guerra contra os soviéticos mobilizou células para desviar os aviões que embateram contra as Torres Gémeas e o Pentágono, faz este domingo 15 anos. Foi a primeira vez na História que o território norte-americano foi atacado. Morreram quase três mil pessoas. Tudo o que aconteceu a seguir, da invasão do Iraque ao surgimento do Daesh e à fuga de centenas de milhares de pessoas do Médio Oriente para a Europa, é uma herança daquele dia. Ao Expresso, sobreviventes recordam o que sentiram há 15 anos e especialistas enquadram a instabilidade dos nossos dias no calendário da “Guerra contra o Terrorismo”, que Bush lançou logo em 2001

  • “A Al-Qaeda está de volta”

    Em entrevista exclusiva ao Expresso, Richard Clarke, o “Czar antiterrorismo” das administrações de George W. Bush e de Bill Clinton e ex-conselheiro de Barack Obama, nega que a Al-Qaeda “e muito menos o Estado Islâmico” constituam uma ameaça existencial para os EUA, 15 anos depois dos atentados de 11 de Setembro de 2001 e do início da Guerra global contra o terrorismo. Criticando o intervencionismo de W. no Iraque e, por oposição, a excessiva cautela de Obama na Síria, o autor de “Against All Enemies” teme a eleição de um Trump “medonho”