Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

ASEAN “esquece” conflito dos mares do sul da China

JONATHAN ERNST

Os dez dirigentes da ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático), reunidos no Laos, optaram por minimizar o conflito que opõe a maioria dos seus membros a Pequim. No entanto, mesmo antes de ser publicado o comunicado final, a China expressou o seu descontentamento com a “intromissão” de países exteriores à região.

Os membros da ASEAN e os seus convidados, como o presidente dos EUA, Barack Obama e o primeiro-ministro chinês Li Kequiang, “reafirmaram o interesse na manutenção da paz, da estabilidade, da segurança assim como da liberdade de navegação e sobrevoo dos mares do sul da China”, adiantou a Reuters esta madrugada.

Apesar da cuidadosa escolha de palavras e de não existir qualquer referência à condenação de Pequim pelo Tribunal de Haia em julho sobre a matéria a questão foi timidamente referida.

“Muitos responsáveis continuam vivamente preocupados com a evolução da situação no mares do sul da China”, lê-se no projeto de comunicado final da 28ª cimeira da ASEAN realizada em Vienciana. Devido ao seu peso económico e militar, a China escapou praticamente incólume da cimeira de países com quem mantém sérios conflitos de soberania.

Pequim tem vindo a desenvolver uma agressiva política de construção de ilhas artificiais para instalar aeroportos e bases militares, sobretudo na zona do arquipélago da Spratly, um dos três arquipélagos dos mares do sul da China. Composto por 750 ilhas e atóis, a área emersa das Spratly não ocupava mais de 4 quilómetros quadrados há poucos anos e cuja soberania é também reivindicada pelo Vietname, Brunei, Malásia e Filipinas, todos da ASEAN, além da Formosa (Taiwan).

A par da especulações sobre a existência na região de reservas de petróleo e gás natural, os mares dos sul da China são o ponto de passagem das principais rotas marítimas mundiais. Calcula-se que 4,9 biliões de euros de mercadorias sejam transportados anualmente por estas rotas.

Sucessivas manobras navais quer chinesas quer dos EUA e seus aliados na região, dão conta da escalada de tensão nos mares do sul da China.

Porém, para desespero de Pequim, o presidente Barack Obama não deixou de salientar á margem da cimeira que “a decisão histórica de arbitragem em julho, que é vinculativa , ajudou a esclarecer os direitos marítimos da região”.

O tribunal de Haia considerou ilegal a ocupação chinesa de muitos atóis e ilhotas à Luz da Convenção do Direito Mar, de que a China também é subscritora.

“Fogo de artifício” à margem

Se o lançamento de três mísseis balísticos pela Coreia do Norte dois dias antes do início da cimeira da ASEAN demonstra a complexidade geopolítica da região do Sudeste Asiático, os insultos do presidente filipino Rodrigo Duterte a Barack Obama na véspera da cimeira agravam o contexto, tanto mais que os dois países há muito que são aliados e a mais importante base militar norte-americana da região está nas Filipinas. Duterte chamou “filho da p...” ao presidente dos EUA depois de se saber que Obama estava muito preocupado com a guerra ao crime que provocou mais de 3 mil mortos em apenas dois meses – Duterte assumiu funções a 30 de junho e a guerra às drogas foi o seu principal lema de campanha.

Obama cancelou a reunião prevista com Duterte, este faltou ao jantar oficial, mas no final da cimeira lá se encontraram brevemente, mas apenas “trocaram amabilidades”, segundo a Casa Branca. E também nenhuma referência houve às pretensões norte-coreanas, apesar da Coreia do Sul ter sido também convidada para participar na cimeira.