Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Jornalista húngara que agrediu refugiados foi acusada de vandalismo

  • 333

MARKO DJURICA / REUTERS

Petra László trabalhava para a televisão N1, próxima do partido de extrema-direita Jobbik. Foi despedida na sequência do incidente e, entretanto, pediu desculpa pelos seus atos

Petra László, jornalista que pontapeou e rasteirou vários refugiados que fugiam da polícia próximo da fronteira com a Sérvia, foi acusada de vandalismo pela justiça húngara. O incidente aconteceu há cerca de um ano e László poderá agora ter de cumprir pena de prisão até cinco anos, caso seja condenada.

A Procuradoria da província húngara de Csongrád descreveu o comportamento da jornalista como “violento” e que apesar de não ter causado ferimentos, “provocou consternação nas pessoas que estavam presentes”. A acusação não concluiu pela existências de qualquer sinal de que a atitude agressiva tenha sido motivada "pela origem das vítimas ou pelo facto de estas serem imigrantes".

O episódio ocorreu em setembro do ano passado quando centenas de refugiados romperam o cordão policial, ao entrarem na Hungria a partir da Sérvia, e se dirigiam para Szeged, uma cidade próxima. A jornalista estava atrás da polícia a filmar os refugiados na sua fuga. O caso aconteceu antes de a Hungria ter fechado a fronteira com a Sérvia, numa altura em que entravam no país milhares de imigrantes por dia.

Um mês depois da agressão, a jornalista declarou ao diário russo Izvestia que não conseguia encontrar trabalho e que estava a pensar emigrar para a Rússia, algo que acabou por não fazer. Ainda no ano passado, comentou no jornal húngaro Magyar Nemzet que sentia remorsos pelo que tinha acontecido e que “estava em choque pelo que tinha feito e pela forma como a tinham tratado”. A jornalista prossegue, dizendo que “tem coração e que não é racista, para além de que é uma mãe que perdeu o emprego, por ter feito uma má decisão em pânico”.

Os refugiados sírios rasteirados Osama Abdul Mohsen e o seu filho Zaid instalaram-se em Espanha, na cidade de Getafe (próxima de Madrid). Osama Abdul Mohsen foi contratado pela Escola Nacional de Treinadores de Futebol.