Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Kerry: “Há questões complicadas a ultrapassar para atingir um cessar-fogo na Síria”

  • 333

POOL

O secretário de Estado norte-americano John Kerry garantiu hoje, na China, que se conseguiram ultrapassar algumas questões técnicas, mas que ainda restam alguns “tópicos complicados por solucionar para alcançar um acordo com a Rússia para um cessar-fogo na Síria.

O secretário de Estado norte-americano John Kerry, garantiu hoje que se conseguiram ultrapassar algumas questões técnicas, mas que ainda restam alguns “tópicos complicados” por solucionar para alcançar um acordo com a Rússia para um cessar-fogo na Síria.

As declarações de Kerry, citadas pela agência espanhola EFE, foram proferidas à saída de uma reunião de duas horas com o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, na cimeira do G20 em Hangzhou, a leste da China.


O presidente norte-americano, Barack Obama, já tinha dito anteriormente, em conferência de imprensa conjunta com a primeira-ministra britânica Theresa May, que ambos os países estavam a trabalhar em "contrarrelógio" para conseguir uma trégua que permita a entrada de mais ajuda humanitária na Síria.

Kerry, que lidera as negociações com o lado russo, apelou à calma e disse que se levará o tempo necessário para assegurar que se está a fazer tudo para aumentar as probabilidades de êxito. “Não vamos acelerar e não nos vamos comprometer com algo que não tenha uma oportunidade legítima de ser um trabalho bem feito”, disse.

Kerry adiantou ainda que as negociações com a delegação russa vão prosseguir na segunda-feira, durante a manhã, no último dia da cimeira do G20. Do lado russo, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergei Riabkov, disse hoje, com mais otimismo do que o mostrado por Kerry, que Moscovo e Washington estão próximos de conseguir um acordo sobre a Síria.

“Digo-vos sem hesitar que estamos próximos de um acordo (...) e não há nenhum fundamento para supor que colapse”, disse Riabkov, que acrescentou que a reunião entre Kerry e Lavrov ajudou ao avanço em direção a um acordo.
Não se prevê qualquer encontro oficial entre o presidente dos EUA, Barack Obama, e o seu homólogo russo, Vladimir Putin.