Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Samsung planeia retirar todos os Galaxy Note 7 de circulação

  • 333

TOBIAS SCHWARZ

Em causa está um número elevado de casos em que as baterias do mais recente modelo de smartphone da empresa explodiram, aponta a agência sul-coreana Yonhap. Anúncio pode chegar já no fim-de-semana

A multinacional sul-coreana Samsung está a preparar-se para anunciar a retirada massiva e global de circulação do seu mais recente modelo de smartphone, o Galaxy Note 7, avançou na quinta-feira à noite a Yonhap, agência estatal noticiosa do país. A notícia de que a empresa está a "considerar" essa retirada do produto em larga escala também é avançada pelo jornal "Korea Herald".

O passo drástico e sem precedentes surge na sequência de uma investigação a inúmeros casos em que as baterias dos Galaxy Note 7 explodiram enquanto carregavam. O anúncio poderá ser feito já este fim-de-semana, acrescenta a Yonhap.

Na quarta-feira, aponta o site de tecnologia "The Verge", a Samsung decidiu atrasar o envio de um carregamento do seu novo modelo de smartphone enquanto a investigação não é concluída, com os media locais e especializados a sublinharem entretanto que o conglomerado multinacional "encontrou razões sérias de preocupação".

Ao "The Wall Street Journal", o porta-voz da Samsung confirmou que o envio desses carregamentos foi cancelado, embora se tenha recusado a comentar se há de facto planos para a retirada do produto dos mercados mundiais.

A Yonhap avança que a Samsung está já em discussões com as operadoras de telecomunicações dos vários países que já lançaram o Note 7, para negociar a gestão do processo de retirada do produto. As empresas que planeavam o lançamento do telemóvel no Reino Unido terão já sido ordenadas a cancelar esses planos.

"Os resultados da investigação e as contramedidas relevantes serão tornados públicos este fim-de-semana ou no início da próxima semana no máximo", disse fonte da Samsung sob anonimato à agência sul-coreana.

A mesma fonte refere que o problema nas baterias só afetou menos de 0,1% do total de aparelhos vendidos até agora. Contudo, a imprensa especializada antevê que a retirada prevista de um modelo tão bem recebido pelo público vá traduzir-se num duro golpe para a gigante tecnológica.

Ao "The Verge", fonte da empresa disse apenas que "uma inspeção minuciosa está a ser conduzida" e que os resultados dessa investigação "serão partilhados o mais cedo possível".