Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Rajoy falha segunda tentativa de investidura. Novas eleições à vista em Espanha

  • 333

Nem era difícil de adivinhar o desfecho da segunda tentativa de investidura de Mariano Rajoy como presidente do Governo espanhol. Líder do PP é apoiado por 170 deputados, mas outros 180 votaram contra

O líder do Partido Popular espanhol, Mariano Rajoy, fracassou esta sexta-feira a segunda votação de investidura no parlamento, tendo 180 deputados votado contra e 170 a favor, o mesmo número da votação de quarta-feira.

O atual chefe do Governo em funções e líder do Partido Popular (PP, direita) teve os mesmos apoios da primeira volta: 137 deputados do PP, 32 do partido de centro-direita Ciudadanos e um do partido regional Coligação Canária.

O resto da assembleia votou contra, entre eles os 85 do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) e os 71 da coligação da esquerda radical Unidos Podemos.

Na votação realizada no Congresso dos Deputados, Rajoy precisava esta sexta-feira de obter mais votos a favor do que contra, ao contrário da votação anterior em que necessitada da maioria absoluta da assembleia, 176 votos num total de 350.

O resultado que já era esperado confirma o período de grande incerteza política em que Espanha vive e que se não for desfeito até 31 de outubro próximo irá significar a dissolução do parlamento e a convocação de novas eleições 54 dias depois, provavelmente para 25 de dezembro.

Se isso acontecer, serão as terceiras eleições legislativas que se realizam no espaço de um ano, depois de na primeira consulta, em 20 de dezembro de 2015, e na segunda, em 26 de junho deste ano, as quatro principais forças políticas espanholas (PP, PSOE, Unidos Podemos e Ciudadanos) não terem conseguido chegar a um acordo para formar um Governo estável em Espanha.

A presidente do Congresso dos Deputados, Ana Pastor, vai ainda esta sexta-feira comunicar o resultado da votação ao rei, Filipe VI, que deverá iniciar nos próximos dias mais uma ronda de conversações com os partidos políticos espanhóis para tentar encontrar um novo candidato para o lugar de chefe do Governo.

Nas eleições de 26 de junho, o PP foi o partido mais votado (33,0 % dos votos e 137 deputados), seguido pelo PSOE (22,7 % e 85), Unidos Podemos (21,1 % e 71) e Ciudadanos (13,0 % e 32).

  • Inveja de Portugal: crónica de um correspondente espanhol em Lisboa

    Pedimos a um espanhol que conhecesse bem Portugal para escrever sobre a crise política em Espanha, agora que é quase certo que as eleições se vão repetir em dezembro. O correspondente do diário “El País” em Lisboa assumiu-se um “João Sem-Terra” e escreveu esta crónica repleta das perplexidade que assaltam os seus conterrâneos. “Há Governo na sexta-feira?”, perguntou-lhe o nosso primeiro-ministro. “Qual quê!”, respondeu Javier Martín, que considera os líderes políticos portugueses superiores aos seus colegas espanhóis