Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“As últimas semanas têm sido o ponto mais baixo da minha vida”: Lochte, o nadador que cometeu “um grande erro”

  • 333

Matt Hazlett/GETTY

O nadador olímpico Ryan Lochte admitiu estar arrependido por ter inventado um assalto no Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos

Depois de já ter reconhecido que tinha exagerado na história, o nadador norte-americano Ryan Lochte admitiu esta terça-feira que mentiu sobre o caso de um alegado assalto no Rio de Janeiro, no passado dia 14 de janeiro, e prometeu nunca mais voltar a fazer o mesmo.

“Eu menti relativamente a uma parte e assumo a inteira responsabilidade. Sou humano. Cometi um grande erro, e é algo com que eu aprendi. Sei que isto nunca mais vai acontecer”, afirmou Ryan Lochte, em entrevista ao programa “Good Morning America”.

O atleta disse que só quer esquecer este episódio, na sequência de fortes críticas à sua conduta do comité olímpico e das autoridades dos EUA e do Brasil. “Só quero seguir em frente. As últimas duas semanas têm sido o ponto mais baixo da minha vida. (...). A parte emocional é a mais difícil. Mas os fãs, família e amigos têm sido sempre positivos e têm-me ajudado a continuar e é isso que quero fazer”, acrescentou.

Durante a competição olímpica, o nadador norte-americano denunciou um suposto assalto quando voltava de táxi para a Aldeia Olímpica. Outros três atletas da comitiva dos EUA repetiram a mesma versão, mas afinal não terá passado de uma confusão em que todos estiveram envolvidos com funcionários e seguranças num posto de gasolina na Barra Tijuca.

Ryan Lochte garantiu, contudo, que há aspetos que foram avançados pela imprensa que não passam de um equívoco: “Dizerem que eu vandalizei a casa de banho é um absurdo. Isso nunca aconteceu.”

O nadador norte-americano já tinha apresentado um pedido de desculpas cinco dias após o incidente: “Quero pedir desculpas pelo meu comportamento na semana passada – por não ter sido mais cuidadoso e sincero na forma como eu descrevi os factos daquela madrugada e pelo facto de a minha atitude tirar o foco a vários atletas que estão a realizar o sonho de participar nos Jogos Olímpicos”, escreveu Ryan Lochte na sua conta do Twitter.

O atleta já regressou aos EUA depois de ser interrogado pelas autoridades, enquanto os outros três colegas – Gunnar Bentz, Jack Conger e James Feigen – também foram detidos para serem interrogados no Brasil.