Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

França quer abrir novo capítulo na relação com os muçulmanos

  • 333

Procurando superar a polémica dos burquínis, o Governo francês pretende ir no sentido inverso ao do aumento da intolerância apostando para tal na criação de uma fundação islâmica

O Governo francês procurou esta segunda-feira abrir um novo capítulo no relacionamento com os muçulmanos residentes no país. O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, esteve reunido com representantes muçulmanos a quem apresentou o seu projeto de financiar a criação da “Fundação para o Islão em França”.

A iniciativa surge após 30 cidades terem banido a utilização de burquínis nas suas praias, num sinal do aumento da crispação e da intolerância em sequência do impacto dos atentados de Paris e de Nice.

A proibição acabou por ser revertida por uma decisão de o alto tribunal administrativo, mas a questão parece ainda não estar superada, uma vez que diversos autarcas já fizeram saber que pretendem ignorar essa decisão e continuar a não permitir a utilização do polémico traje nas suas praias.

O ministro Cazeneuve disse que as conversações encetadas esta segunda-feira destinam-se a “ancorar os valores do islão na República francesa”.

“Isto é um desenvolvimento positivo que irá colocar um fim à saga repulsiva do burquíni”, afirmou Anouar Kbibech, líder do Concelho Francês para a Fé Muçulmana, em declarações à agência France Presse onde manifestou as suas esperanças que o encontro desta segunda-feira marque o começo de uma nova fase no relacionamento entre as diferentes partes.

Longe de consensual é contudo a decisão de colocar à frente da fundação o antigo ministro da Defesa, Jean-Pierre Chevenement, atualmente com 77 anos. Muitos observadores consideram que o cargo deveria obviamente ser atribuído a um muçulmano.