Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Atentado bombista faz pelo menos 50 mortos no Iémen

Atentado na cidade portuária de Aden, no Iémen, faz mais de 45 mortos

EPA

Número de vítimas foi avançado à AFP por fonte das forças de segurança do país. Ataque já foi reivindicado pelo autoproclamado Estado Islâmico

Pelo menos 50 pessoas terão morrido esta segunda-feira de manhã num atentado bombista em Aden, a segunda maior cidade do Iémen, havendo um número para já indeterminado de feridos, avançou fonte das forças de segurança à AFP.

De acordo com essa fonte sob anonimato, o ataque suicida teve como alvo um campo de treino do Exército naquela cidade. O bombista conduziu um carro até perto de um ajuntamento de novos recrutas no campo de treino da milícia pró-governamental Resistência Popular, no norte de Aden, fazendo-se explodir no local. A mesma fonte diz ainda que o balanço de vítimas poderá aumentar nas próximas horas.

Fontes médicas dizem que entre 45 e 60 pessoas poderão ter perdido a vida no ataque, que acontece ao 17.º mês consecutivo de uma guerra civil no país entre o Governo sunita apoiado pela Arábia Saudita e os rebeldes hutis xiitas que lutam para o depôr. De acordo com a ONU, mais de 6600 pessoas, na sua maioria civis, já perderam a vida neste ano e meio de conflito, havendo pelo menos 2,5 milhões de iemenitas deslocados dentro e fora do país.

Pelas 10h da manhã em Lisboa, a agência do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh), a Amaq, reivindicou o atentado, confirmando as suspeitas das autoridades de que a responsabilidade recairia nesse grupo ou na Al-Qaeda, as duas redes extremistas que têm executado ataques na cidade portuária de Aden em meses recentes.

O atentado desta manhã acontece dias depois de o Governo iemenita e os rebeldes terem reagido positivamente a uma nova iniciativa de paz anunciada na semana passada pelos Estados Unidos e sob a qual os hutis aceitam abandonar a capital, Sanaa, e dar início a conversações para formar um Governo de unidade.

Os rebeldes dizem estar preparados para retomar as negociações suspensas no início de agosto no Kuwait apenas se a coligação liderada pelos sauditas parar de atacar os seus bastiões no Iémen e acabar com o cerco aos territórios sob o seu controlo.