Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Atentado faz pelo menos oito mortos e 45 feridos no sudeste da Turquia

  • 333

Autoridades turcas têm mantido operação controversa contra curdos em Cizre que já deixou várias casas destruídas e dezenas de mortos

ILYAS AKENGIN

Rebeldes curdos terão detonado carro-bomba frente a uma esquadra da polícia em Cizre, província de Sirnak, na fronteira com a Síria, na região sudeste da Turquia onde se concentra a minoria étnica curda

Um carro armadilhado foi detonado na manhã desta sexta-feira frente a um edifício da polícia em Cizre, na província de Sirnak, perto da fronteira com a Síria, provocando pelo menos oito mortos e 45 feridos, de acordo com fontes citadas pelo jornal "La Razón".

Imagens partilhadas nas redes sociais mostram um edifício de vários andares em ruínas, na cidade de maioria curda onde as autoridades turcas têm estado a conduzir controversas operações contra os rebeldes curdos, deixando um rasto de destruição e morte entre a população que pertence à minoria étnica curda, que vive concentrada no sudeste da Turquia. De acordo com a BBC, as vítimas do mais recente ataque eram agentes da polícia.

A explosão ocorreu pelas 7h da manhã locais, menos duas horas em Lisboa, a 50 metros da entrada da esquadra da polícia, que ficou completamente destruída. Apesar de o ataque ainda não ter sido reivindicado, os media locais estão a responsabilizar o ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que luta há várias décadas pela autodeterminação dos curdos e por um Estado independente da Turquia e que recentemente relançou a sua campanha de ataques contra alvos das forças de segurança.

Na luta contra o PKK no sudeste do país, a Turquia tem mantido um recolher obrigatório parcial em Cizre desde dezembro, lançando inúmeros ataques contra membros do movimento separatista e deixando um rasto de destruição naquela e noutras cidades da região. Correspondentes no terreno falam numa guerra civil a decorrer em plena Turquia desde o colapso das negociações de paz entre o Executivo de Recep Tayyip Erdogan e o PKK em julho de 2015.

A notícia do atentado bombista contra a esquadra da polícia surge na mesma semana em que rebeldes sírios apoiados pela Turquia entraram em território sírio com pelo menos uma dúzia de veículos de combate turcos, numa ofensiva renovada contra o autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) que o Governo e as forças turcas pretendem que também desincentive os curdos sírios (peshmerga) que combatem o grupo radical ali — na esperança de que não consigam criar um Estado autónomo que alumie as ambições de independência dos curdos turcos.