Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cada resgate é um ato de esperança: a criança que sobreviveu 17 horas soterrada

  • 333

Em tempos de desastre, cada resgate é um milagre: bombeiros e civis conseguiram resgatar uma menina que estava há mais de 17 horas presa sob os escombros de um edifício ruído em Pescara del Tronto, após o sismo que 24 horas antes abalou o coração de Itália. Foi aplaudida

É uma história que está a comover Itália. Uma menina de 10 anos foi resgatada pelas 21h locais de quarta-feira dos escombros que a soterraram na sequência do sismo de 6,2 de magnitude na escala de Richter que mergulhou três cidades do centro de Itália num cenário "apocalíptico" de destruição quase total.

Depois de ter passado mais de 17 horas debaixo dos resquícios de um dos edifícios de Pescara del Tronto que ruíram na madrugada de ontem, a criança voltou à superfície graças a um grupo de bombeiros que a resgataram com a ajuda de civis. Alguém ouviu a voz da criança sob os escombros, o que permitiu o seu salvamento.

A menina de 10 anos foi submetida a uma cirurgia e está bem. A agência Ansa acrescenta que a sua irmã - estavam juntas na mesma casa na altura do sismo - não sobreviveu à tragédia.

Entre um balanço de mortos que não pára de aumentar, já próximo das 250 vítimas, e réplicas que continuaram a fazer tremer a cordilheira dos Apeninos na madrugada desta quinta-feira, a notícia do resgate está a fazer correr tinta na imprensa internacional. Sobretudo pelo facto de Giorgia ter quatro anos, da mesma faixa etária que muitas das vítimas mortais, segundo dados do Ministério da Saúde.

Um dos residentes de Pescara del Tronto captou o momento emocionante em que a coragem e resiliência de Giorgia e os esforços heróicos dos bombeiros e civis foram aplaudidos pelos sobreviventes do sismo, que continuam a fazer contas aos mortos, feridos e desaparecidos e a lutar contra o tempo para encontrar mais pessoas com vida.

(Notícia atualizada às 12h52)

  • Salvar faz-me sentir vivo

    Em Itália, nas localidades mais castigadas pelo sismo, milhares passaram na rua a primeira noite pós-tragédia. Há quem tenha perdido tudo. E há quem prefira arregaçar as mangas para não ceder à angústia, ajudando as equipas de socorro

  • O coração de Itália desabou

    Passava pouco das 3h30 da manhã, 2h30 em Lisboa, quando a terra tremeu pela primeira vez no centro de Itália, província de Perugia. Ao sismo de 6,2 graus de magnitude na escala de Richter seguiu-se mais de uma centena de réplicas ao longo do dia, algumas com 5,5 graus na mesma escala. Pelo menos 120 pessoas perderam a vida e centenas ficaram feridas nas quatro cidades mais afetadas pelo abalo, na cordilheira dos Apeninos, no coração do país. Mas como em quase todos os desastres, o balanço deverá ser superior e só será possível chegar a ele à medida que as operações de resgate forem sendo concluídas