Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

ANC perde controlo de Joanesburgo pela primeira vez desde o fim do apartheid

  • 333

GIANLUIGI GUERCIA

Mergulhado numa série de escândalos de corrupção, o partido de Nelson Mandela, no poder há 22 anos, também perdeu maioria dos votos na capital Pretória e na Cidade do Cabo. nas eleições municipais do início do mês

O partido do Congresso Nacional Africano (ANC) perdeu o controlo que mantinha sobre a maior cidade sul-africana e centro económico do país, Joanesburgo, bem como da capital Pretória e da Cidade do Cabo nas eleições municipais do início de agosto.

Com a contagem de votos finalizada, confirma-se a eleição de Herman Mashaba, do partido da oposição Aliança Democrática (AD), como novo autarca de Joanesburgo, firmando-se o afastamento do partido de Nelson Mandela, no poder na África do Sul desde o fim do apartheid há 22 anos, do governo autárquico daquela cidade pela primeira vez desde o fim do regime de segregação racial, apesar de ter sido o partido mais votado no plebiscito deste mês.

Das seis maiores cidades do país, o ANC apenas conseguiu uma maioria clara em Durban, tida como um bastião do Presidente Jacob Zuma. Os resultados das eleições locais deixam a descoberto uma profunda cisão entre o poder político e a sociedade sul-africana, cada vez mais descontente com os sucessivos escândalos de corrupção a envolverem o ANC e Zuma.

A ausência de uma maioria qualificada dos votos para qualquer dos partidos na corrida tem estado a forçar os principais movimentos políticos a formarem coligações para governarem as autarquias. Os 11% de votos angariados pelos Combatentes pela Liberdade Económica, que participaram pela primeira vez em eleições locais, colocaram o movimento de esquerda numa posição de poder para negar ao ANC o controlo da maioria das autarquias, apesar de o partido no poder ter alcançado 44,5% do total de votos, contra 38,4% para a AD.

Esta segunda-feira, no seu discurso de tomada de posse, Mashaba prometeu limpar Joanesburgo da corrupção endémica que terá sido o motor da revolta contra o ANC nas urnas. "A partir desta noite, a corrupção é declarada o inimigo número um desta cidade", disse o empresário de 56 anos a um grupo de apoiantes. "Os dinheiros públicos têm estado a ser mal usados nos últimos cinco ou dez anos. Vamos pegar neste dinheiro e tomar conta dele para que possamos garantir serviços básicos à nossa população."

No mesmo discurso, o novo líder da Câmara de Joanesburgo prometeu fazer do combate ao desemprego uma prioridade. "Mais de 800 mil dos nossos residentes, um em cada três, está sem emprego. Temos de dar respostas a isto com urgência."