Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Kadiza fugiu para a Síria, arrependeu-se e quis regressar ao seu país

  • 333

Laura Lean - WPA Pool / Getty Images

Kadiza é uma das três raparigas britânicas que deixaram o Reino Unido se juntarem ao autodenominado Estado Islâmico no ano passado. Agora sabe-se que a jovem se arrependeu, sentia medo e queria fugir da Síria

Kadiza Sultana tinha 16 anos quando fugiu de casa em direção à Síria. Juntamente com as amigas Shamima Begum e Amira Abase, ambas com 15 anos, mentiu aos pais e a 17 de fevereiro de 2015 dirigiram-se ao aeroporto de Gatwick, tendo com destino Turquia para posteriormente chegarem à Síria. As autoridades suspeitam que a jovem tem vivido em Raqqa.

Kadiza foi para a Síria guiada pela propaganda dos valores terroristas, mas acabaria por esbarrar com a desilusão. Por várias vezes disse à sua irmã Halima, em conversas telefónicas gravadas para a ITV, que o homem com o qual casara tinha sido morto, sentia medo e queria regressar ao Reino Unido.

“Tu sabes quando algo vai correr mal. E as fronteiras estão fechadas neste momento, como é que vou conseguir sair?”, questionou numa das conversas com a irmã, citada pela BBC.

No entanto, na semana em que estava a tentar sair, uma rapariga austríaca foi apanhada pelo grupo terrorista autodenominado Estado Islâmico (Daesh), explica o advogado da sua família, Tasnime Akunjee, em entrevista à BBC Newsnight.

“Na semana em que ela estava a pensar sobre estes assuntos, uma jovem austríaca foi apanhada a tentar fugir de território controlado pelo Daesh e espacanda publicamente até à morte. Por isso, dadas as circunstâncias, penso que Kadiza viu isso como um mau presságio e não quis correr o risco”, declarou o advogado. “O problema [nestes casos] é que os fatores de risco relacionados com a fuga são terminais, se o Daesh conseguir detetar e capturar a fugitiva a punição será brutal.”

Kadiza Sultana está entre os 800 britânicos que se acredita terem deixado o Reino Unido para se juntarem ao Daesh ou outros grupos na Síria e no Iraque. Segundo acrescentou Akunjee, a partir de relatos que lhe chegaram, a jovem terá morrido há algumas semanas num raide aéreo que atingiu Raqqa.