Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Clint Eastwood defende racismo de Trump

  • 333

Kevin Winter / Getty Images

O ator diz que a América está comandada por uma geração “pussy” obcecada pelo politicamente correto e, numa entrevista à revista “Esquire”, deixa um conselho: “Ultrapassem isso. É um momento triste da história”

O homem duro de Hollywood, republicano de gema, deu uma entrevista explosiva à revista “Esquire” em que defende com veemência Donald Trump. Clint Eastwood ataca quem considera o candidato à Casa Branca racista e desvaloriza “os disparates” do magnata nova-iorquino.

“Ele diz uma data de disparates”, afirma o ator e cineasta sobre Trump, que já insultou mexicanos, muçulmanos, imigrantes, mulheres, etc., etc. “Mas todos o dizem. Ambos os lados. No entanto, toda a gente — a imprensa e todos — não pára de afirmar que isto e aquilo é racista, e estão a fazer uma tempestade com isso.”

Clint Eastwood aconselha a América a “ultrapassar” a situação e adianta: “É um período triste da história.” O país, disse ainda, está a ser comandado por uma geração “pussy” [mariquinhas, em tradução livre]. Trump, considera o ator, “está a chegar a algum lado, porque secretamente toda a gente está a ficar cansada do politicamente correto e do beijo na boca. É a geração rasca em que estamos metidos. Esta é mesmo uma geração de merda, Toda a gente anda com paninhos quentes”.

“Vemos pessoas a acusar pessoas de serem racistas e de todo o tipo de coisas”, continua Eastwood". “Quando eu cresci, isso não era chamado racismo.” A estrela de Hollywood disse ainda que, numa escolha entre o milionário e a ex-secretária de Estado, votaria Trump sem hesitar. Além disso, Hillary Clinton, afirmou, continuaria o legado de Obama. Clinton, afirmou ainda Clint Eastwood, tem “uma voz dura para ouvir durante quatro anos”.

O pior dos politicos de hoje, considera, é que o fazem adormecer. “Aborrecem toda a gente.” “Chesty Puller, um grande general americano, disse um dia ‘Podem correr comigo, deixar-me morrer à fome, bater-me, matar-me, mas não me aborreçam’. E é exatamente o que está a acontecer agora: Toda a gente chateia toda a gente. É uma chatice ouvir esta merda toda. É uma chatice ouvir estes candidatos.”

  • Trump leva uma lição de mãe

    Foi um dos momentos e discursos que marcaram a convenção democrata da semana passada: um casal muçulmano que migrou para os EUA a contar como o seu filho morreu no Iraque a combater pela América. Só o pai falou, a mãe ficou em silêncio. Trump reagiu à Trump - desrespeitosamente: disse que ela não falou porque não tinha sido autorizada para tal, numa alusão a um papel subalterno de mulher. E agora recebeu a resposta