Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Sondagem coloca Hillary à frente de Trump

  • 333

AARON P. BERNSTEIN / Reuters

Antiga primeira-dama parece estar a beneficiar do efeito pós-convenção, algo que também teve repercussões nos níveis de aceitação e de intenções de voto do candidato presidencial republicano

Uma nova sondagem realizada após a convenção do Partido Democrata norte-americano, que decorreu a semana passada, atribui esta segunda-feira uma vantagem de sete pontos percentuais à candidata presidencial democrata Hillary Clinton contra o rival republicano Donald Trump.

Segundo os dados da sondagem realizada pelo canal de televisão norte-americano CBS, 46% dos inquiridos afirmam que irão votar na candidata democrata nas eleições presidenciais de 8 de novembro, contra os 39% dos entrevistados que preferem o candidato presidencial do Partido Republicano.

Hillary Clinton poderá estar a beneficiar do efeito pós-convenção, algo que também teve repercussões nos níveis de aceitação e de intenções de voto de Trump.

Após a convenção republicana, que decorreu em Cleveland (Ohio) entre 18 e 21 de julho, o multibilionário também beneficiou do aumento da cobertura mediática destas reuniões, que tentam mostrar os candidatos no seu melhor. Várias sondagens então realizadas apontaram Donald Trump como o favorito à presidência dos Estados Unidos da América.

Nesta nova sondagem da CBS, Hillary consegue uma recuperação de quatro pontos percentuais em função de uma convenção bem-sucedida (realizada em Filadélfia, Pensilvânia, de 25 a 28 de julho) que conseguiu superar a polémica com os apoiantes do candidato derrotado nas primárias democratas, o senador do Vermont Bernie Sanders.

A antiga primeira-dama, que consta entre os candidatos mais impopulares que foram nomeados pelo Partido Democrata para concorrer à Casa Branca, consegue nesta nova sondagem aumentar o grau de aceitação entre os eleitores inscritos, de 31% para 36%. No entanto, 50% continuam a vê-la de forma negativa.

Donald Trump consegue ser um pouco mais impopular, com 31% de opiniões favoráveis e 52% de opiniões desfavoráveis.

Nos últimos dias, o empresário foi protagonista de uma nova polémica. Trump tem sido duramente criticado, mesmo por republicanos, por ter falado de forma inapropriada sobre um casal norte-americano muçulmano cujo filho morreu em combate no Iraque em 2004.

O pai do capitão Khan, convidado a falar na convenção democrata, criticou nomeadamente a intenção de Donald Trump de proibir a entrada a todos os muçulmanos no território norte-americano.

A sondagem da CBS foi realizada entre 29 a 31 de julho por telefone (fixos e móveis) junto de 1393 adultos, incluindo 1131 pessoas inscritas nas listas eleitorais. A sondagem tem uma margem de erro de três pontos percentuais.

  • Trump leva uma lição de mãe

    Foi um dos momentos e discursos que marcaram a convenção democrata da semana passada: um casal muçulmano que migrou para os EUA a contar como o seu filho morreu no Iraque a combater pela América. Só o pai falou, a mãe ficou em silêncio. Trump reagiu à Trump - desrespeitosamente: disse que ela não falou porque não tinha sido autorizada para tal, numa alusão a um papel subalterno de mulher. E agora recebeu a resposta