Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Houve heróis em Nice, mas não foi este

  • 333

David Ramos / Getty

Timothé Fournier foi apontado como um herói pelos media. O jovem francês teria morrido ao afastar a sua mulher grávida do camião do massacre em Nice. Mas, afinal, a história é falsa...

Mesmo nas tragédias descobrem-se sempre heróis. Logo no dia a seguir ao massacre de Nice contaram-se histórias de pessoas que tentaram travar o motorista do camião, que matou 84 pessoas no Passeio dos Ingleses, ou que salvaram outras vítimas.

Timothé Fournier, de 27 anos, foi um dos nomes que surgiu em todos os jornais, após a sua história ter sido divulgada pela AFP. Dono de uma tabacaria em Paris, o jovem francês teria empurrado a mulher – grávida de sete meses – da estrada quando o camião vinha na sua direção. Pouco depois, Timothé teria sido atropelado pelo veículo. “Era uma boa pessoa, sonhador, sempre disponível para a família”, afirmou à AFP na altura Anais, uma prima do jovem.

No entanto, quando outros meios de comunicação quiseram explorar a história, começaram a surgir dúvidas sobre a sua veracidade. Até que um jornalista do diário “Nice Matin” pediu a lista das vítimas à polícia, tendo recebido como resposta: “Timothé Fournier não está morto, quer dizer, não existe”.

A agência de notícias francesa já pediu desculpa pelo erro, garantindo que não foi intencional. “Desconhecemos por que razão esta mulher nos contou esta história. Sabemos apenas que já não responde às nossas perguntas e que já fechou a sua conta do Twitter, onde estabelecemos o contacto”, explicou a AFP.

Entretanto, a agência pediu aos jornalistas para respeitarem as regras de utilização das redes sociais como fonte, de forma a evitarem episódios semelhantes.