Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Meios de comunicação franceses deixam de mostrar imagens de terroristas

  • 333

CHRISTOPHE PETIT TESSON/ EPA

Evitar “efeitos de glorificação póstumos” ou “pôr os terroristas ao mesmo nível das vítimas”: estes são os argumentos apresentados pelo “Le Monde”, a BFM-TV e a Europe 1, que após o ataque à igreja de in Saint-Etienne-du-Rouvray decidiram que não vão mais divulgar os rostos dos atacantes

A cobertura dos órgãos de comunicação franceses aos ataques terrorista está a mudar. Pelo menos o jornal “Le Monde”, a BFM-TV e a Europe 1 anunciaram que vão deixar de mostrar vídeos ou fotografias em que o rosto dos atacantes seja visível.

“Queremos evitar mostrar fotos destas pessoas, até porque ao longo do dia estas iriam ser repetidamente mostradas no canal de informação. Queremos também evitar colocar os terroristas no mesmo plano que as vítimas ao transmitirmos as suas imagens, tal como fizemos com as fotografias do padre Jacques Hamel, morto terça-feira na igreja de in Saint-Etienne-du-Rouvray”, justificou o editor do jornal “Le Monde” Hervé Béroud.

No próprio dia do ataque, a BFM- TV, embora tivesse imagens dos bombistas, optou não divulgá-las. Esta quarta-feira, num editorial, o “Le Monde” anunciou que iria tomar a mesma decisão. No caso da Europe 1 (incluindo a RFI, France 24 e Monte Carlo Doualiya, que pertencem ao mesmo grupo), além da imagem, vão deixar de publicar o nome dos terroristas.

“Desde a emergência do Daesh, o ‘Le Monde’ mudou repetidamente as suas práticas. Em particular, decidimos não publicar imagens extraídas de documentos propaganda do Daesh. No seguimento do ataque em Nice, não iremos publicar as imagens dos autores dos assassinatos para evitar possíveis efeitos de glorificação póstumos. Outros debates sobre a nossa cobertura ao tema estão a decorrer”, informou Jérôme Fenoglio, diretor do “Le Monde”.

“Não me parece que os jiadistas vão ser travados pelo facto de deixarmos de divulgar estas imagens. Não é assim tão simples… Mas a nossa escolha é em função dos nossos espectadores”, defendeu Hervé Béroud, do canal BFM- TV.