Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Turquia: Ministério da Defesa passa a depender diretamente do Presidente

  • 333

UMIT BEKTAS/ Reuters

A chefia das Forças Armadas turcas deixará de depender do Ministério da Defesa e ficará subordinada diretamente à Presidência, anunciou o primeiro-ministro Binali Yildirim, numa entrevista dada à imprensa turca. Estas medidas vêm na sequência da tentativa de golpe de estado do passado 15 de julho.

A chefia das Forças Armadas turcas deixará de depender do Ministério da Defesa e ficará subordinada diretamente à Presidência no futuro, anunciou o primeiro-ministro Binali Yildirim, numa entrevista dada à imprensa turca.

"O Estado-Maior General das Forças Armadas já não dependerá do Ministério da Defesa. Quando implantarmos o sistema presidencialista, ficará subordinado à Presidência", disse Yildirim numa entrevista na televisão turca ATV-A Haber.

O primeiro-ministro não especificou datas para a concretização da mudança de regime do Governo, de parlamentarista para presidencialista, que reforçará o papel do Presidente, Recep Tayyip Erdogan.

Para a formalização dessa mudança, que segundos altos cargos do Governo "já é um facto", falta realizar uma mudança na Constituição com uma maioria de dois terços, o que não pode ser fácil com a atual composição do parlamento. Yildirim falou também, na mesma entrevista, sobre a futura dissolução da Guarda Presidencial, um corpo de função cerimonial do exército criada em 1920.

Na sexta-feira, foram presos 283 soldados da Guarda Presidencial, composta por 2.500 membros, por suspeita de envolvimento na tentativa golpe de Estado que sofreu o país no dia 15 de julho.

  • Turquia: Prolongado período de detenção de suspeitos

    O período de detenção dos suspeitos envolvidos na tentativa falhada do golpe de Estado na Turquia pode durar até 30 dias. Até agora, o número máximo de dias que um suspeito podia estar detido, sem ter sido acusado, era quatro dias. Foi ainda anunciado o encerramento de mais de 1000 escolas privadas e 1200 associações. A purga lançada por Erdogan parece não ter fim