Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Submarino nuclear britânico choca com navio mercante em Gibraltar

  • 333

JOSE LUIS ROCA

Incidente aconteceu durante exercício de treino militar. Marinha do Reino Unido garante que reator nuclear da embarcação não sofreu danos

Um dos novos submarinos de propulsão nuclear da Marinha Real britânica está atracado no porto de Gibraltar após ter colidido com um navio mercante durante um exercício de treino militar, a fim de serem feitos mais testes para garantir que não houve quaisquer danos no reator nuclear da embarcação.

Num comunicado publicado no site do Ministério da Defesa, a Marinha explicou que o incidente aconteceu por volta das 13h30 locais da passada terça-feira e que já foi lançada uma investigação à "colisão" em que o HMS Ambush esteve envolvido enquanto estava submerso ao largo da costa daquele território britânico. Existem "alguns danos externos" mas nenhum dos membros da tripulação ficou ferido nem foram detetados problemas no reator nuclear da embarcação.

O HMS Ambush é um dos três submarinos de propulsão nuclear da classe Astute que a Marinha britânica adquiriu recentemente, que são os maiores e mais avançados submarinos de ataque. Cada um tem 97 metros de comprimento, custa 1,6 mil milhões de libras (quase dois mil milhões de euros) e transporta torpedos e mísseis-cruzeiro Tomahawk.

Neste momento, e depois de uma votação parlamentar no início da semana, a Marinha prepara-se para receber outros três novos submarinos de propulsão nuclear da mesma classe, a mais avançada que existe atualmente. Durante esse debate sobre o programa militar Tridente, em que toda a bancada conservadora e cerca de metade dos deputados trabalhistas votaram a favor da compra dos três submarinos, a nova primeira-ministra britânica, Theresa May, chocou muitos ao declarar que não teria problemas em autorizar um ataque nulcear que vitimasse 100 mil inocentes.

Em 2000, a Greenpeace mobilizou residentes de Gibraltar e do sul de Espanha em protestos no porto do território britânico contra a presença de submarinos de propulsão nuclear na região, após o HMS Tireless ter atracado ali por causa de uma fissura detetada num tubo de refrigeração de um dos seus reatores nucleares.