Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Polémica em França com o dispositivo policial destacado no dia do atentado em Nice

  • 333

Carl Court/GETTY

No dia do atentado, o controlo da entrada na zona pedonal do Passeio dos Ingleses estava a ser feito por um único veículo da polícia municipal, escreve o jornal “Libération”

Uma semana após o atentado de Nice, reivindicado pelo Daesh, a polémica sobre a segurança continua esta quinta-feira em França, onde o estado de emergência foi prolongado por seis meses.

Cinco suspeitos foram esta quinta-feira presentes à justiça antiterrorista para serem acusados, na sequência do inquérito ao ataque de 14 de julho, dia de França, pelo tunisino Mohamed Lahouaiej Bouhlel.

O Daesh, já na origem dos atentados que causaram 130 mortos, a 13 de novembro em Paris, ameaçou intensificar os ataques contra a França, num novo vídeo com mensagens em francês a felicitar o assassino de Nice.

Ao volante de um camião de 19 toneladas, alugado alguns dias antes, Bouhlel matou 84 pessoas e deixou mais de 200 feridos na avenida marginal de Nice (sudeste).

A polémica sobre o dispositivo policial destacado nessa noite foi relançada pela última edição do jornal de esquerda “Libération”, ao afirmar que o controlo da entrada da zona pedonal da marginal (Promenade des Anglais), onde 30 mil pessoas assistiam ao fogo-de-artifício, estava a ser feito por um único veículo da polícia municipal e que a polícia nacional francesa estava quase ausente da zona.

No dia seguinte ao ataque, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, negou qualquer falha das forças de segurança. O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, afirmou que as alegações do diário não eram verdade.

O presidente do Senado (câmara alta do parlamento), Gérard Larcher (direita), pediu um "inquérito independente" sobre o dispositivo de segurança em Nice. Cazeneuve pediu uma "avaliação técnica" à polícia das polícias.

Esta nova polémica relança as acusações de laxismo apontadas pela direita e extrema-direita, poucas horas depois da matança, que levaram o executivo socialista a apelar à unidade nacional.