Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Theresa May e Angela Merkel vão encontrar-se para discutir o Brexit

  • 333

GETTY IMAGES

Depois de jantar de trabalho com a chanceler alemã, a nova primeira-ministra do Reino Unido segue para França para uma reunião com o Presidente François Hollande

A nova líder conservadora britânica sublinhou hoje que quer dicussões "francas e abertas" sobre a saída da União Europeia, a poucas horas de partir no seu primeiro périplo pelas mais importantes capitais europeias a fim de desenhar um roteiro do Brexit para apresentar à população e às instituições europeias.

Esta quarta-feira à noite, a primeira-ministra do Reino Unido vai ter um jantar de trabalho com a chanceler alemã, Angela Merkel, em Berlim, antes de seguir para Paris para uma reunião no dia seguinte com o Presidente francês, François Hollande.

Apesar de May já ter falado com ambos os líderes políticos ao telefone desde que foi escolhida para substituir David Cameron na liderança do Partido Conservador - e, por acréscimo, do Governo -, deverão ser estes primeiros encontros cara-a-cara a marcar o tom do que se antecipa que serão longas e duras negociações de saída do Estado-membro.

No rescaldo do referendo britânico de 23 de junho, tanto Merkel como Hollande defenderam que os votos de 52% da população do Reino Unido a favor do Brexit têm de ser respeitados, mas os analistas antecipam que ambos irão assumir uma postura muito mais dura e defensiva durante as negociações, pelo facto de enfrentarem eleições no próximo ano e pressões internas para não ceder ao Reino Unido.

Por esse motivo, desde a consulta tanto a líder alemã como o francês já sublinharam várias vezes que não podem ser criadas exceções especiais em termos de acesso ao mercado único. May, que escolheu o grande defensor do Brexit, Boris Johnson, para ministro dos Negócios Estrangeiros, quer que o país continue a integrar o mercado único para garantir a livre circulação de bens, de capital e de serviços, mas sem respeitar ou autorizar a livre circulação de pessoas.

A líder, que em apenas uma semana no poder já chocou muitos com declarações sobre estar preparada para usar bombas atómicas e com o anúncio de medidas ainda mais conservadoras e anti-imigração que as do seu antecessor, já disse que não espera que as negociações formais do Brexit comecem antes do final deste ano.