Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Venezuela ameaça empresa dos EUA por suspender produção no país

  • 333

FEDERICO PARRA

Nicolás Maduro diz que Kimberly-Clark não respeitou compromisso de pagar benefícios sociais aos 1200 trabalhadores que deixou para trás e que por isso pode exigir as detenções dos representantes da companhia

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ameaçou na segunda-feira à noite que pode vir a exigir a prisão de representantes da Kimberly-Clark, depois de a empresa norte-americana ter encerrado a produção no país sul-americano.

Há uma semana, o Governo venezuelano ordenou a ocupação da fábrica daquela empresa norte-americana de produtos de higiene, dois dias depois de esta ter anunciado a suspensão “indefinida” das suas operações no país por causa da deterioração das “condições económicas e empresariais”.

A decisão surge perante a pior crise económica que a Venezuela atravessa há vários anos, sobretudo potenciada pela queda dos preços do petróleo, que está a levar a uma enorme escassez de alimentos e de produtos básicos como os que a Kimberly-Clark produz, incluindo papel higiénico, fraldas e produtos de higiene feminina.

Com a suspensão de atividades no país, a Kimberly-Clark despediu cerca de 900 trabalhadores, com o ministro do Trabalho, Oswaldo Vera, a declarar na semana passada que a fábrica foi ocupada pelo Estado a pedido dos 1200 funcionários em risco e que as matérias-primas necessárias seriam garantidas pelo Governo.

Ontem à noite, Maduro acusou a empresa norte-americana de não cumprir as promessas de benefícios sociais que tinha feito aos seus trabalhadores. "Os que devem ir para a cadeia vão, não importa onde estão", disse o Presidente, acrescentando que os eventuais mandados de prisão para os representantes da empresa serão emitidos através da Interpol.

Também segundo o líder venezuelano, todas as linhas de produção da fábrica de Maracay estão em funcionamento após a entrega da fábrica aos trabalhadores, mas de acordo com um ex-funcionário venezuelano da Kimberly-Clark, que falou à AFP sob anonimato, apenas uma das 11 linhas está ativa.