Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

José Eduardo dos Santos concorre sozinho à liderança do MPLA

  • 333

José Eduardo dos Santos anunciou a sua retirada da política em 2018, um ano depois das próximas eleições

SIPHIWE SIBEKO / Reuters

Candidatura do Presidente à sua própria sucessão foi a única a surgir dentro do partido até esta quinta-feira, prazo máximo para apresentação de listas. Promessa de que vai abandonar o poder até 2018 parece cada vez mais distante

A candidatura de José Eduardo dos Santos à sua própria sucessão como presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) foi a única formalizada no partido até ao final desta quinta-feira, prazo limite para apresentação de listas.

A informação foi avançada à agência Lusa esta manhã por fonte da subcomissão de candidaturas do MPLA, antecipando-se para os próximos dias a sua confirmação formal numa cerimónia pública.

A liderança do MPLA será escolhida no VII congresso ordinário do partido, que irá decorrer entre 17 e 20 de agosto próximo, em Luanda, antecedendo as eleições gerais em Angola, previstas para 2017.

Em março, José Eduardo dos Santos tinha anunciado que vai retirar-se da vida política ativa em 2018, quando completará 76 anos, sem no entando adiantar em que moldes. A sua recandidatura exclusiva ao cargo de secretário-geral do partido no poder torna ainda mais improvável esse afastamento.

A candidatura à liderança do MPLA por dos Santos, que é Presidente de Angola desde 1979, deu entrada nos órgãos do partido a 30 de junho, pelas mãos do vice-presidente do partido, Roberto de Almeida, que a considerou como "a opção mais acertada" para os militantes.

"Longe de ser um privilégio, o cargo de presidente do MPLA acarreta um somatório de encargos e responsabilidades que exigem fortes qualidades de liderança, dedicação, inteligência, sentido de conciliação, tolerância e experiência partidária", disse na altura.

Entre outras questões, os 2.591 delegados que estarão presentes no próximo congresso — eleitos nas últimas semanas em todas as 18 províncias, juntamente com os secretários provinciais do partido — vão eleger o presidente do MPLA e o Comité Central, preparando as eleições gerais de 2017.

No início deste mês, José Eduardo dos Santos nomeou a filha mais velha, a empresária Isabel dos Santos, para presidente do conselho de administração da empresa concessionária estatal do setor dos petróleos, Sonangol, também num passo tido como preparatório das eleições do próximo ano.

Isabel dos Santos assume-se publicamente como militante do MPLA desde 1992 e está a ser apontada por alguma imprensa local como futura integrante do Comité Central do partido e até mesmo sucessora de José Eduardo dos Santos.