Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mais um candidato à liderança do Partido Trabalhista

  • 333

GETTY

A vitória do ‘Brexit’ continua a ter efeitos políticos no Reino Unido. Enquanto David Cameron é substituído por Theresa May na liderança do Partido Conservador e do Governo, do lado do principal partido da oposição já há dois candidatos que querem roubar a liderança a Jeremy Corbyn

O antigo ministro-sombra do Trabalho e Pensões, Owen Smith, anunciou esta quarta-feira em Londres a sua candidatura à liderança do Partido Trabalhista, sendo o segundo membro do principal partido da oposição a avançar para a disputa com o atual líder, Jeremy Corbyn. A outra aspirante é Angela Eagle, que foi ministra-sombra da Economia e da Inovação.

“Vou-me apresentar às eleições”, declarou Smith à BBC, um dia depois de Eagle ter anunciado a sua candidatura. Smith considera que, apesar de o atual líder do partido ter tido razão em diversos assuntos, nomeadamente na sua forte oposição à austeridade, “não é um líder que nos possa conduzir até uma eleição e ganhar”. “Os trabalhadores não se podem dar ao luxo de ter um dia como hoje, em que os conservadores estão em festa a celebrar com champanhe a sua coroação, enquanto a perspetiva de um Governo trabalhista parece distante”, afirmou Smith, em declarações citadas pelo diário “The Guardian”.

Smith ponderou apoiar a candidatura de Eagle antes de avançar. Entretanto, declarou que não iria tomar parte num golpe orquestrado pela ala direita do seu partido, que iria criar cisões internas: “Eu posso curar este partido. Eu posso ser um líder trabalhista credível e o próximo primeiro-ministro”.

A vitória do Brexit no referendo de 23 de junho levou à demissão do líder do Partido Conservador e primeiro-ministro, David Cameron, que é esta quarta-feira substituído Theresa May, até agora ministra do Interior. Mas o impacto do resultado da consulta popular está a afetar, também, o principal partido da oposição. Corbyn tem sido pressionado para se demitir por camaradas que o acusam de não se ter envolvido o suficiente na campanha pela permanência na União Europeia.