Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Avanço do sistema americano de mísseis defensivos na Coreia do Sul causa tensões

  • 333

Sul coreanos manifestaram-se contra a instalação do sistema de mísseis defensivos

GETTY

O anuncio da localização precisa onde será instalado o Terminal de Área de Defesa de Alta Altitude promete aumentar o descontentamento junto da Coreia do Norte, mas também na vizinha China e entre residentes locais

O avançado sistema norte-americano de mísseis defensivos será colocado numa zona rural junto da cidade de Seongju, no sudeste da Coreia do Sul, indicaram esta quarta-feira responsáveis de Seul. O anúncio aumentou as tensões com a Coreia do Norte, mas também com a China e entre residentes locais que acreditam que o sistema lhes poderá vir a causar problemas de saúde.

Antes mesmo do anúncio da localização do Terminal de Área Defensiva de Alta Altitude (TADAA) -— que. segundo o ministro da Defesa sul-coreano, deverá estar a funcionar em pleno no final de 2017 —, milhares de habitantres de Seongju manifestaram-se, exigindo o cancelamento da decisão. “Opomo-nos com as nossas vidas à instalação do TADAA”, referiu uma das dez cartas de protesto endereçadas aos responsáveis políticos da região. A questão de possíveis efeitos nocivos para a saúde das populações locais também foi levantada por deputados sul-coreanos.

O Ministério da Defesa diz, contudo, que o sistema será localizado numa montanha, numa zona não habitada, e que é inofensivo, desde que as pessoas se mantenham a 100 metros de distância. O vice-ministro da Defesa, Ryu Je Seung, declarou em conferência de imprensa que a região de Seongju foi escolhida por permitir maximizar as capacidade de defesa militar, respeitando ao mesmo tempo questões ambientais, de saúde e de segurança.

A Coreia do Norte já reagira na segunda-feira ao anuncio da colocação do TADAA, ameaçando que iria dar uma “resposta física” quando o local e as datas da sua instalação fossem determinadas. Também a China e a Rússia se opõem à instalação do TADAA na Coreia do Sul, por considerarem que o sistema conseguirá rastrear mísseis nos seus países. Muitos sul-coreanos receiam que a China, o maior parceiro comercial do país, venha a tomar medidas de retaliação nível económico.

Seul e Washington avançaram para as conversações para a instalação do TADAA após a Coreia do Norte ter levado a cabo o seu quarto teste nuclear e a experimentação de um rocket de longo alcance nos primeiros meses deste ano. O TADAA permitirá defender entre metade a dois terços" dos cidadãos sul-coreanos de ataques nucleares ou de mísseis norte-coreanos, segundo um comunicado do Ministério da Defesa da Coreia do Sul. O sistema também permitirá defender os cerca de 28.500 militares norte-americanos colocados naquele país.