Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Supermercados venezuelanos limitam venda a clientes registados na zona onde residem

  • 333

JUAN BARRETO/GETTY IMAGES

A medida pretende fazer face à escassez de alimentos em Caracas, capital da Venezuela

Supermercados de Caracas estão a exigir aos clientes que apresentem um cartão de inscrição nos conselhos comunais da zona ou nos recém-criados Comités Locais de Abastecimento e Produção (Clap), para poderem comprar produtos básicos que escasseiam no mercado venezuelano.

“Cada vez que nos chegam produtos básicos, há centenas de pessoas a fazer fila para comprar, mas muitas delas não sabemos quem são. A ideia é impedir que quem viva noutra zona compre as coisas que são para os clientes que vivem na nossa área”, explicou o administrador de um supermercado à agência Lusa.

Segundo João Ferreira, “há produtos que são muito procurados e que escasseiam no mercado local, como a farinha de milho, o óleo, o açúcar, o arroz e a massa, que chegam em camiões protegidos pela Guarda Nacional (polícia militar) e, muitas vezes, as pessoas que sabemos que vivem na zona ficam sem nada”.

O processo para “conseguir a acreditação é fácil”, basta ir aos conselhos comunais e aos Clap, “levar um documento de identificação, o comprovativo de endereço fiscal ou uma fatura de um serviço público com o endereço da pessoa”.

Para os comerciantes a apresentação de um cartão dos Clap pode ajudar a solucionar a falta de abastecimento e a revenda ilegal de produtos, principalmente nos supermercados onde as autoridades ainda não instalaram um sistema de identificação biométrico, que limita a quantidade de produtos que é vendida semanalmente a um cliente, como acontece nas grandes redes, que mesmo de diferentes empresas estão ligadas entre si e quem comprar arroz ou outro produto numa cadeia está impedido de comprar o mesmo produto noutra.

Mas alguns cidadãos queixam-se de que estão a ter dificuldades para fazer a inscrição e dizem temer que mais tarde os seus dados possam ser usados com fins políticos. “Na minha zona (Los Cedros), é apenas às terças-feiras, das 17h00 às 19h00 horas, que fazem as inscrições. Eu trabalho longe não posso estar aí a essa hora, disse Diamela Castellanos à Lusa, manifestando-se preocupada porque tem que mais um contratempo: vive num prédio alugado e os serviços públicos estão no nome da proprietária do imóvel.

Fonte do conselho comunal local explicou à Lusa que nesses casos a proprietária do imóvel pode enviar uma carta a explicar a situação e que a acreditação é então emitida.

  • O país que vive uma guerra silenciosa sobre a qual ninguém fala

    Sete bebés morrem por dia na Venezuela, um país onde o desabastecimento de medicamentos é comparável à situação de algumas regiões da África Subsaariana. Os hospitais parecem saídos de um campo de batalha, a escassez e a inflação galopante já deixaram 70% da população na pobreza. Falta água, luz, alimentação. Falta respeito pelos direitos humanos, alertam as organizações internacionais: o regime intimida, censura, julga críticos e opositores – e a população já não confia no sistema de Justiça, que diz estar completamente à mercê do Governo. O país de Maduro está por um fio, que poderá romper-se a qualquer momento

  • Venezuela. “É uma lista muito grande a das pessoas conhecidas que já morreram em assaltos e sequestros”

    Yenny deixou a Venezuela depois de uma tentativa de assalto no meio do trânsito no centro de Caracas. Maria ainda lá está e teme pelo futuro dos filhos, de nove e cinco anos, numa cidade onde falta tudo: comida, água, eletricidade, medicamentos, sabão para lavar a roupa e champô para o cabelo. As histórias das duas portuguesas nascidas na Venezuela espelham bem o momento que se vive no país. Quem pode parte; quem fica espera por uma mudança

  • Os portugueses salvam portugueses na Venezuela em crise

    Não é uma crise nem uma bicrise, mas uma tricrise: económica, social e energética. E a juntar-se a isto há um teimoso problema antigo que não abranda: a insegurança no país, os sequestros, os assassinatos. O secretário de Estado das Comunidades esteve esta semana na Venezuela para fazer o diagnóstico da situação, nomeadamente da histórica comunidade emigrante portuguesa no país - onde algumas instituições e empresários portugueses já se disponibilizaram para ajudarem os compatriotas que passam pior. “O mais extraordinário é a obra social, desportiva e recreativa desenvolvida por portugueses na Venezuela sem ajuda do Estado português ou venezuelano”