Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tony Blair diz que agiu no “melhor interesse” do Reino Unido na Guerra do Iraque

  • 333

O ex-primeiro-ministro britânico afirma, em comunicado, que o relatório Chilcot contem “críticas sérias que exigem respostas séria”, esclarecimentos que promete fazer esta tarde, assumindo “plena responsabilidade por quaisquer erros”

O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair disse esta quarta-feira ter agido no "melhor interesse" do Reino Unido, numa resposta ao relatório que critica a forma como decidiu entrar na Guerra do Iraque em 2003.

"O relatório devia pôr termo às alegações de má-fé, mentiras ou enganos. Quer se concorde ou discorde da minha decisão de uma ação militar contra Saddam Hussein, tomei-a de boa-fé e no que acredito ser o melhor interesse do país", afirmou Blair num comunicado divulgado em resposta à apresentação do relatório Chilcot.

No comunicado, Blair admite que o documento contém "críticas sérias que exigem respostas sérias" e promete dar essas respostas "hoje à tarde" e "assumir plena responsabilidade por quaisquer erros".

"Ao mesmo tempo direi por que razão, apesar de tudo, acredito que foi melhor afastar Saddam Hussein e por que razão não acredito que essa seja a causa do terrorismo que vemos hoje", afirmou.

O relatório da comissão Chilcot critica duramente as decisões tomadas pelo ex-primeiro-ministro trabalhista em relação à guerra do Iraque, na qual morreram 179 soldados britânicos e dezenas de milhares de iraquianos.

A alegada posse pelo regime iraquiano de armas de destruição maciça, nunca comprovada, foi a principal justificação para a participação do Reino Unido na invasão do Iraque, em março de 2003, quando Tony Blair liderava o governo britânico.

Chilcot, cuja comissão foi criada há sete anos para apurar os contornos do envolvimento britânico no conflito, concluiu que o "o Reino Unido escolheu juntar-se à invasão do Iraque antes de esgotar as opções pacíficas para um desarmamento"
"A ação militar não era, na altura, o último recurso", disse John Chilcot.