Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Alegado arquiteto do "golpe" contra Jeremy Corbyn ameaçado de morte

  • 333

Len McCluskey é secretário-geral do sindicato Unite for Union desde 2011

Carl Court

"Prepara-te para seres 'coxed'", lê-se na mensagem enviada a Kevin McKeever, numa aparente referência ao homicídio da deputada trabalhista Jo Cox há menos de um mês

Um diretor de relações públicas que foi candidato a deputado pelo Partido Trabalhista britânico diz ter recebido uma ameaça de morte que parece fazer referência ao homicídio de Jo Cox, deputada do mesmo partido que esfaqueada e baleada a 16 de junho no norte de Inglaterra por um nacionalista com alegadas ligações a grupos neonazis.

A ameaça surgiu depois de a empresa de relações públicas "Portland Communications", na qual Kevin McKeever trabalha, ter sido acusada de "orquestrar" um golpe para depôr Jeremy Corbyn da liderança trabalhista no rescaldo do referendo de 23 de Junho, no qual 52% da população britânica votou a favor da saída do Reino Unido da União Europeia.

Nas suas contas de Facebook e Twitter, McKeever publicou uma imagem acompanhada de uma mensagem onde se lê: "Olá camarada, vimos-te a deixar este edifício, estamos a observar-te, o teu sangue é o preço da tua traição, prepara-te para seres 'coxed'" — uma aparente referência à morte de Cox.

No domingo, o secretário-geral do sindicato Unite, Len McCluskey, disse em entrevista ao programa de Andrew Marr na BBC que uma empresa de relações públicas estava "muito envolvida" nas tentativas de vários deputados trabalhistas em forçarem Corbyn a demitir-se da liderança do partido, acrescentando que os deputados "foram seduzidos por forças sinistras". Pressionado a revelar que empresa referia, o sindicalista falou na "Portland, uma empresa de relações públicas com fortes ligações a Tony Blair [primeiro-ministro entre 1997 e 2007 e antigo líder do partido], a deputados trabalhistas de direita, que estiveram envolvidos na orquestração do golpe".

McKeever não comentou as alegações, reagindo só ontem após o seu nome ter sido citado num post do blogue The Canary sobre o mesmo assunto. "Muitos de vocês terão lido publicações num blogue que sugerem que existe uma ligação entre mim, o meu local de trabalho e as ações de deputados trabalhistas no parlamento. Isso não tem qualquer fundamento na verdade", escreveu nas redes sociais.

"Deixei a minha opinião pessoal clara sobre a liderança do nosso partido. Mantive-me, contudo, em silêncio nos últimos dias por ter recebido uma ameaça de morte, onde é sugerido que eu vou ser 'coxed', uma referência ao homicídio da deputada trabalhista Jo Cox há duas semanas. A conselho da polícia e para garantir a minha segurança e a da minha família, não vou comentar mais isto. Temos um Partido Trabalhista ao qual regressar depois desta trapalhada. Espero que todos façamos uma reflexão."