Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bundesbank: Brexit “não é motivo” para relaxar regras orçamentais

  • 333

Christopher Furlong / getty

O presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, contradisse as declarações do ministro da Economia alemão, que na sexta-feira afirmou que o Pacto de Estabilidade e Crescimento da UE deve ser “mais flexível” “amigo do crescimento”

O voto a favor da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) não pode ser desculpa para que a Europa relaxe as suas regras orçamentais, segundo afirmou este sábado o presidente do Bundesbank à “Focus magazine”.

“O Brexit não é motivo para perder as regras orçamentais”, declarou Jens Weidmann em entrevista publicada este sábado.

O responsável do banco central alemão, que faz parte do conselho de governadores do BCE, contraria assim as declarações do ministro da Economia do seu país, Sigmar Gabriel, que esta sexta-feira defendeu que o Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) da UE necessita de “maior flexibilidade” para permitir aos Estados-membros aumentar o investimento e estimular o emprego em períodos de recessão económica. “O pacto deve ser implementado de forma mais amiga do crescimento”, disse.

Já na sexta-feira, Jens Weidmann reforçava em Munique que não via “necessidade em relaxar a política monetária dominante na zona euro como reação ao voto do Brexit.” A sua visão é a de que “a política monetária já é muito expansionista” e que, por isso, “seria questionável se uma orientação ainda mais expansionista teria um efeito estimulante.”

  • “Deve haver perdão de dívida na Europa”

    Acredita que o ‘Brexit’ pode não se concretizar, mas não acha que o resultado do referendo possa desencadear uma crise financeira. Grave, sim, é ter a Europa por recuperar ainda dentro de dois anos e nos EUA um Presidente incapaz de ajudar a economia global.

  • “Fala-se em reformas e a crise desaparece”

    O economista americano não tem dúvidas de que a política monetária sozinha não resolve os problemas. E não acredita no discurso ‘mágico’ das reformas estruturais. Defende que a política orçamental deve participar. Não acha o ‘Brexit’ um novo Lehman Brothers mas avisa que uma vitória de Trump pode ser.