Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Grande confusão: Schäuble disse ou não que Portugal vai pedir novo resgate?

  • 333

FABRIZIO BENSCH / Reuters

Reuters divulgou uma primeira notícia a dizer que o ministro alemão anunciou que Portugal vai pedir novo resgate. Minutos depois, novo artigo - mas aí Schäuble dizia “somente” que Portugal vai precisar de novo resgate se não cumprir as regras

O que está por saber é se Schäuble corrigiu Schäuble ou se a segunda notícia é uma correção da primeira. A Reuters é omissa e tem os dois artigos disponíveis no seu site – AQUI e AQUI. Facto é que o ministro alemão traz de novo o espectro dos resgates à atualidade portuguesa – resta saber com que consequência nos mercados.

Na primeira notícia da agência britânica, que se resume a um prágrafo, era referido que Wolfang Schäuble tinha avançado que Portugal iria precisar de pedir um novo programa de resgate, dando como certo que seria aceite.

Cerca de meia hora depois, outra notícia da Reuters desmentia essa informação, realçando apenas que Portugal só iria precisar de uma nova ajuda externa caso não cumprisse as regras. “Portugal está a cometer um erro mau se não respeitar os compromissos assumidos. Os portugueses não querem um novo resgate e não o terão se cumprirem as regras europeias”, declarou o ministro das Finanças alemão, em Berlim,citado pela Reuters.

No mês passado, Schäuble manifestou-se contra o adiamento de sanções a Portugal, lembrando que as regras de Bruxelas são para cumprir.

Segundo avançou esta segunda-feira o “Le Monde”, a Comissão Europeia deverá recomendar sanções a Lisboa por não ter cumprido as metas do défice. No entanto, fonte oficial de Bruxelas disse ao Expresso que ainda não foi tomada nenhuma decisão e que só no início do próximo mês voltará a ser discutida essa questão.

Desde que o Governo liderado por António Costa tomou posse foram vários os avisos dados por Berlim. Entre elogios ao anterior Executivo português, Merkel e Schäuble alertaram por diversas vezes para a necessidade de o país manter o rumo seguido nos últimos quatro anos.