Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Deputados conservadores querem Cameron substituído até setembro

  • 333

Influente comissão parlamentar do Partido Conservador quer um substituto confirmado até dia 2 de setembro. Processo de candidaturas interno deverá começar já esta quarta-feira. Sondagem do YouGov junto dos militantes “tories” aponta Theresa May, e não Boris Johnson, como a favorita à sucessão do primeiro-ministro demissionário

Antecipa-se uma corrida renhida entre o ex-autarca de Londres, Boris Johnson, e a ainda ministra do Interior Theresa May

Antecipa-se uma corrida renhida entre o ex-autarca de Londres, Boris Johnson, e a ainda ministra do Interior Theresa May

PAUL ELLIS

O Reino Unido pode ter um novo primeiro-ministro dentro de nove semanas, depois de os deputados do Partido Conservador terem exigido que David Cameron abandone já a liderança do partido e do Governo para que um novo líder tome o seu lugar até 2 de setembro.

Após a primeira reunião dos deputados conservadores em Westminster desde a vitória do Brexit no referendo da passada quinta-feira, uma influente comissão parlamentar do partido definiu que o processo de escolha de um novo líder deverá começar na quarta-feira.

Segundo o "The Independent", hoje o comité central tory deverá aprovar o novo calendário, antecipando em um mês a substituição de Cameron, que ao apresentar a sua demissão na sexta, declarou que deverá ser o novo líder conservador e primeiro-ministro a definir os termos da saída do país da União Europeia em outubro.

Boris Johnson, o ex-autarca de Londres que liderou a campanha pelo Brexit, tem sido sempre considerado o favorito para substituir Cameron na liderança do Partido Conservador, devendo formalizar a sua candidatura até ao final desta semana. Mas de acordo com uma sondagem do YouGov para o "Times", Theresa May, a atual ministra do Interior, está a subir de popularidade na corrida, sendo a favorita de 31% dos eleitores conservadores contra 24% para Johnson.

Ao longo desta semana, Johnson, May e outros membros do partido no poder, excluindo o atual chanceler do Tesouro George Osborne, que esta terça-feira declarou que não vai participar na corrida, deverão apresentar as suas candidaturas à liderança, antecipando-se uma renhida disputa que, numa primeira fase, culminará na seleção de dois dos candidatos pelos deputados conservadores. Os militantes tory escolherão depois qual deles querem ver ao leme do partido, sendo que o vencedor poderá assumir de imediato a chefia do Governo.

O novo líder conservador estará, contudo, sob enorme e imediata pressão para convocar eleições antecipadas ainda este ano. Na segunda-feira, o ex-vice-primeiro-ministro e líder dos Liberais Democratas Nick Clegg deu voz à opinião de muitos políticos ao exigir que sejam marcadas eleições, sublinhando que seria errado que apenas os membros do Partido Conservador possam escolher o próximo primeiro-ministro britânico de "um novo governo, com novas prioridades".