Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Caixas negras do voo MS804 da EgyptAir já foram reparadas

  • 333

CHRISTIAN HARTMANN/REUTERS

Investigadores vão começar a trabalhar no seu conteúdo já esta terça-feira. Segundo a Associated Press, equipa não acredita, para já, que o Airbus A320 tenha sido abatido intencionalmente

As caixas negras do voo MS804 da EgyptAir que caiu no Mediterrâneo, provocando a morte das 66 pessoas que seguiam a bordo, já foram reparadas com sucesso em França e já estão a caminho do Cairo, onde o seu conteúdo será agora analisado para apurar o que aconteceu no fatídico dia 19 de maio.

De acordo com os investigadores egípcios citados pela BBC esta terça-feira de manhã, o conteúdo do Flight Data Recorder (FDR), que regista parâmetros de voo ao longo de 25 horas tais como velocidade, altitude e trajetória, vai começar a ser analisado "dentro de horas".

O voo MS804 seguia de Paris em direção ao Cairo quando caiu no mar Mediterrâneo, a sul da ilha de Creta, provocando a morte dos 56 passageiros, incluindo quatro crianças, e dos sete tripulantes e três agentes de segurança da EgyptAir que seguiam a bordo do Airbus A320.

O FDR e o Cockpit Voice Recorder (CVR), conhecidos como caixas negras, chegaram a Paris vindos do Cairo há uma semana, para que um laboratório da agência de aviação francesa pudessem remover os depósitos de sal que concentravam após terem passado mais de um mês afundados no Mediterrâneo. Serão agora reenviados para a capital egípcia a fim de se apurar o que provocou a queda do voo.

Na segunda-feira, o procurador-geral de Paris abriu uma investigação oficial por homicídio involuntário, com uma porta-voz do gabinete a dizer à Associated Press que esse inquérito vai começar por ser uma investigação a um acidente, por não haver provas até agora de que a queda do avião tenha sido provocada intencionalmente.