Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mariano Rajoy vai tentar formar Governo com o PSOE após vencer eleições sem maioria

  • 333

JAVIER SORIANO/GETtY

Líder do PP marcou para esta segunda-feira uma reunião com o comité executivo do partido para delinear estratégia que o mantenha no poder. “El País” diz que o líder conservador pondera pedir a Pedro Sánchez que se abstenha na votação da sua investidura para poder formar um Executivo minoritário caso o chefe dos socialistas se recuse a integrar a coligação

Ao longo da campanha para as eleições gerais antecipadas que tiveram lugar em Espanha este domingo, o Partido Popular (PP) deixou sempre claro que alcançar 30% dos votos e revalidar os 123 assentos parlamentares que tinha alcançado nas eleições de 20 de dezembro deveria ser suficiente para se qualificar para governar, isto apesar de o seu líder, Mariano Rajoy, ter sido alvo de críticas internas por nada ter feito para alterar a sua estratégia política ao longo dos últimos seis meses.

Sabia-se que o PP ia conseguir ficar em primeiro lugar novamente, mas agora que os votos foram totalmente contabilizados, dando 33% aos conservadores (o correspondente a quase 600 mil votos) e aumentando o número de deputados eleitos de 123 para 137, Rajoy sai muito melhor na fotografia do que se previa, apesar de ter voltado a falhar uma maioria qualificada para governar sozinho.

"Reclamamos o direito a governar e a ser úteis aos espanhóis", declarou o chefe interino do Executivo no domingo à noite, após o anúncio dos resultados eleitorais, sublinhando que pretende voltar a tentar formar um governo de coligação com o PSOE.

Antecipava-se que os socialistas seriam os grandes castigados da noite, mas ao contrário do que previram as últimas sondagens de intenções de voto antes da ida às urnas, conseguiram manter-se como a segunda força mais votada, evitando serem ultrapassados pela formação de esquerda Unidos Podemos.

De acordo com a contagem de votos, o PSOE elegeu 85 deputados para o Congresso, menos cinco que em dezembro, e a coligação do Podemos de Pablo Iglesias e da Esquerda Unida elegeu 71, mais dois assentos parlamentares que há seis meses. O movimento centrista Cidadãos, que foi o único partido que aceitou investir o líder socialista, Pedro Sánchez, após o impasse de dezembro para se evitarem novas eleições legislativas, ficou novamente em quarto lugar mas com apenas 32 deputados, menos oito que no último plebiscito.

Segundo o "El País", e apesar de não o ter expressado claramente na noite da vitória, Rajoy planeia tentar formar Governo com o PSOE, tendo marcado para esta segunda-feira às 13h uma reunião do comité executivo nacional do PP para delinear a sua estratégia. Caso os socialistas não aceitem integrar um Governo de maioria conservadora, Rajoy tentará que se abstenham na votação de um Executivo minoritário para conseguir ficar no poder.

  • Espanha: O minuto a minuto da noite eleitoral espanhola

    Seis meses depois das últimas eleições, das quais resultou um impasse governativo, Espanha foi de novo a votos. O PP voltou a vencer, e até aumentou o número de votos e de deputados, mas continua a não haver uma maioria clara. Tudo depende agora do PSOE, que conseguiu impedir a subida do Unidos Podemos e manteve o segundo lugar. Recorde aqui a noite eleitoral

  • As notícias sobre a morte do bipartidarismo foram manifestamente exageradas

    O Partido Popular volta a sagrar-se vencedor das eleições espanholas, seis meses depois do último teste, e aumenta o número de deputados. Unidos Podemos falha o assalto ao segundo lugar, onde os socialistas do PSOE se mantêm. Recomeça o processo de negociação para formar um Governo saído destas eleições, de onde voltou a não emergir uma maioria clara