Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Francisco: Brexit deixa a Europa com uma “grande responsabilidade” (em direto)

  • 333

Vive-se história, experimenta-se incerteza, teme-se pânico. O Brexit venceu, Cameron demitiu-se, Bruxelas já pediu duas vezes para o Reino Unido sair rapidamente da UE. Marcelo e Costa falaram para sossegar os portugueses - cá dentro e lá fora -, Merkel expressou lamentos e preocupações, a Escócia poderá ter um novo referendo, a Europa está em choque, as bolsas sofrem. O Papa espera que se possa manter a paz no velho continente. Estamos em direto

20h49 - Terminamos aqui a nossa cobertura em direto. Obrigada por ter acompanhado.

20h38 - Depois de Londres, também Cambridge quer separar-se do Reino Unido e permanecer na União Europeia. TNa plataforma change.org, foi criada uma petição para que aquela cidade fique ao lados dos 27 Estados-membros. Justificam a decisão com o facto de Cambridge ter votado em peso no Bremain (74%).

“Toda a economia de Greater Cambridgeshire está dependente da Universidade de Cambridge, das ciências e indústria da alta tecnologia, aliado a empresas de serviços profissionais. Estas empresas e industrias confiam no facto de estarem inseridas na União Europeia para operar a um nível competitivo. Isto não pode ser colocado em risco pelo resultado do referendo”.

20h09 - Além de Cameron, Obama também falou com a chanceler alemã Angela Merkel. Segundo escreve o “The Guardian” ambos concordaram que os Estados Unidos da América e a Europa “vão trabalhar juntos nas próximas semanas e meses”.

“Penso que a votação de ontem [quinta-feira] é uma das atuais mudanças e desafios que nascem da globalização”, considerou o presidente norte-americano.

19h59 - Obama falou ao telefone com David Cameron e assegura que os britânicos estão “comprometidos na transição ordeira para a saída da União Europeia”. O trabalho conjunto entre os Estados Unidos da América e o Reino Unido vão continuar, com um contacto próximo entre as equipas económicas de ambos os países, que estão “concentradas no crescimento económico e a estabilidade financeira”.

Em conferência de imprensa, o presidente norte-americano considerou Cameron como “um fantástico amigo e parceiro a nível global”.

Cameron e Obama, em abril desde ano, durante uma partida de golfe

Cameron e Obama, em abril desde ano, durante uma partida de golfe

JIM WATSON/ getty Images

19h50 - Ainda nem 24 horas passaram desde a divulgação dos resultados e já mais de 73 mil pessoas assinaram uma petição exigindo que a capital britânica obtenha a independência e fique na União Europeia.

O documento, que está disponível na em change.org, apela ao presidente da câmara de Londres, Sadiq Khan, que “declare Londres independente do Reino Unido e apresente a sua candidatura de adesão à UE”.

“Londres é uma cidade internacional que queremos que que se mantenha o coração da Europa”, argumentam.

19h44 - O comissário europeu Carlos Moedas acredita que a União Europeia vai ultrapassar o desafio da saída do Reino Unido e defende que é preciso “trazer mais alma à Europa”.

“A União Europeia já ultrapassou muitas crises e vai ultrapassar mais este desafio”, disse em Bruxelas. “Para mim o projeto europeu é e será sempre um projeto irreversível”, acrescentou.

19h31 - Sérgio Sousa Pinto, deputado do PS, tece críticas à postura de Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista. Acusa-o de estar “preso ao parapeito do poder pelos dentes” e de ter “ sede de mando, disfarçada de virtude missionária”.

19h24 - Para a próxima terça e quarta-feira esta marcada a primeira cimeira europeia pós referendo. O tema dominante será o processo de saída do Reino Unido da UE, informou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, numa carta enviada aos Estados-membros.

"Na quarta-feira, os 27 chefes de Estados e de Governo irão reunir-se informalmente para discutir as implicações políticas e práticas do 'Brexit'. Em primeiro lugar, iremos debater o chamado 'processo de divórcio' tal como está previsto no 50.º Artigo do Tratado" de Lisboa, escreve Tusk aos líderes da UE, citado pela agência Lusa.

Outra das questões em discussão será sobre “o futuro da União Europeia com 27 Estados-membros”.

19h12 - Em conferência de imprensa, Barack Obama disse já ter conversado hoje com David Cameron e Angela Merkel sobre “a ordeira transição para a saída do Reino Unido”.

19h10 - Há dezenas de cartoons que circulam nas redes sociais. Uns com um tom mais sério, outros com um toque mais humorístico.

19h00 - O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, afirmou esta sexta-feira estar convicto que Portugal e a Reino Unido, “vão continuar a ser parceiros e a trabalhar em conjunto”, apesar do resultado do referendo no Reino Unido. Na opinião do ministro, “as exportações de Portugal para o Reino Unido vão continuar e os turistas ingleses também não deixarão de vir ao Algarve”.

18h56-

18h53 - “Respeitamos a escolha dos britânicos e iremos continuar parceiros sólidos do Reino Unido e da União Europeia. Os valores que partilhamos fazem de nós parceiros naturais”, disse esta sexta-feira Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá.

Na cidade canadiana do Québec, o líder do governo considerou que os resultados do referendo “vão aumentar a incerteza económica em todo o mundo”, mas descansou os canadianos com a garantia de que a situação está a ser monitorizada para “manter a estabilidade económica e impulsionar o crescimento”.

Chung Sung-Jun/ Getty Images

18h49

18h41- Tweet de Donald Trump ao chegar à Escócia para a cerimónia de abertura do seu campo de golfe:

18h39 - Nikolaos Michaloliakos, líder do partido neonazi grego Aurora Dourada, considerou o resultado do referendo no Reino Unido “uma vitória do nacionalismo em toda a Europa” e pediu que um referendo similar seja votado na Grécia.

“A Aurora Dourada felicita a vitória das forças nacionalistas e patrióticas na Grã-Bretanha contra a União Europeia, que se transformou num instrumento brutal de especuladores financeiros”, disse o líder, num comumicado citado pelo britânico “Guardian”.

18h12 - O ex-primeiro-ministro britânico John Major considerou que David Cameron tomou a atitude certa ao demitir-se.

“Julgo que não tinha escolha”, afirmou Major à BBC, deixando um elogio ao desempenho de Cameron, nomeadamente na área económica e no cumprimento de uma agenda social “muito progressista”.

18h08 - O Presidente da Rússia disse esta sexta-feira que Moscovo nunca interferiu ou tentou influenciar o processo que levou à vitória do 'Brexit', como é chamada a saída britânica da União Europeia, decidida no referendo de quinta-feira no Reino Unido.

“Nunca interferimos, nunca nos manifestamos a esse respeito. Agimos, penso eu, de forma muito correta, temos acompanhado a situação, mas tentamos não influenciar”, disse Vladimir Putin, em declarações à comunicação social.

18h03 - Em comunicado publicado no seu site, o partido Livre diz respeitar a decisão do povo britânico, embora lamente “profundamente o resultado do referendo” no Reino Unido. “É com apreensão que assistimos, mais uma vez, ao crescente apoio a forças de extrema-direita na Europa favoráveis à desintegração da União, que fundamentam o seu discurso no medo e no nacionalismo e que se alimentam das terríveis consequências das políticas de austeridade e da indiferença de uma elite europeia que não soube estar à altura das expetativas dos 500 milhões de cidadãos europeus”, lê-se no documento.

O partido diz ainda estar preocupado com o “enquadramento futuro dos emigrantes portugueses residentes no Reino Unido” e apela ao Governo português “que reforce as equipas de diplomatas naquele país para que os nossos concidadãos sejam devidamente acompanhados neste período de incerteza”.

17h56 - Em artigo de opinião publicado há menos de uma hora no site do jornal espanhol “El Pais”, o antigo chefe do Governo de Madrid Felipe González arrasa o primeiro-ministro britânico, David Cameron. “Incendiou a casa para salvar os móveis e ficou sem casa e sem móveis”, escreve González. “Cameron passará à História como o político irresponsável que pôs em risco o interesse geral da Grã-Bretanha e da Europa para resolver um problema pessoal e do seu partido”, acrescenta o antigo presidente de governos socialistas espanhóis.

17h47 - A Rainha Isabel II falará ao parlamento escocês este sábado, dia 25 de junho.

17h46 - Os principais sindicatos ligados ao Partido Trabalhista fizeram uma declaração conjunta pedindo que os deputados não tentem depor o líder do partido, Jeremy Corbyn. “Na ausência de um governo que coloque as pessoas em primeiro lugar, o partido deve unir-se, como uma fonte de estabilidade e unidade nacional”, pode ler-se na declaração.

17h43 - A hashtag #notmyvote é, neste momento, a mais usada no Reino Unido, contando com mais de 12 mil tweets. Também a expressão '2nd EU Referendum' está no top das trend do Twitter.

17h40 - “O Reino Unido pode sair da União Europeia, mas não saiu da Europa”, comentou Pedro Passos Coelho, esta tarde. O líder do PSD sublinhou que a saída dos britânicos da Europa não deve ser dramatizada e, apesar de respeitar a decisão, afirma que acredita no projeto Europeu e que Portugal e Reino Unido têm diferentes visões do que é a UE.

17h43 - Num texto de opinião publicado no “New York Times”, o jornalista Roger Cohen considera que o resultado do referendo no Reino Unido é indicador de um enorme “ressentimento” por parte dos ingleses, que se traduz “numa revolta contra o capitalismo global”. A maioria dos britânicos, escreve Roger Cohen, “não tinha paciência para os políticos que trouxeram ao mundo a guerra desastrosa do Iraque, a crise financeira de 2008, a austeridade europeia, a estagnação dos salários da classe trabalhadora, a imigração e os paraísos fiscais para os super ricos”.

O jornalista não tem dúvidas de que a União Europeia “está agora mais vulnerável do que esteve em qualquer momento desde a sua criação”. Imagens icónicas como a do antigo Presidente francês François Mitterrand e a do antigo chanceler alemão Helmut Kohl de mãos dadas em Verdun, nordeste de França, onde durante a I Guerra Mundial morreram milhares de soldados franceses e alemães, “perderam a sua significância”, diz. “As agruras do euro, as vagas de imigração e as elevadas taxas de desemprego levaram a uma perda coletiva de paciência, prudência e memória. Isso tornou-se num sentimento generalizado. A irracionalidade está no ar.”

16h57 - O papa Francisco disse que a vitória do Brexit deixa a Europa com uma “grande responsabilidade” e que espera que se possa manter a paz no velho continente.

“Isto exigirá uma grande responsabilidade por parte de todos nós para garantir o bem do povo britânico, assim como a coexistência pacífica de todo o continente europeu. Isso é o que eu espero”, declarou o Sumo Pontífice, citado pelo “Catholic Herald”.

OSSERVATORE ROMANO / HANDOUT

16h52 - Em Downing Street juntou-se um grupo de jovens manifestantes. Têm entre 16 e 18 anos e pedem para ser ouvidos, argumentando que o seu futuro está a ser posto em causa.

16h52 - O ministro dos Negócios Estrangeiros turco acusou a União Europeia de não ter conseguido resolver os seus problemas de extremismo, islamofobia, racismo e xenofobia, e disse que as políticas europeias de integração, expansão, segurança e economia “não foram bem sucedidas”.

A UE, afirmou Mevlut Cavusoglu esta sexta-feira, precisa de fazer uma “instrospeção séria”. Ainda assim, Ancara preferia que o Reino Unido tivesse optado pela permanência, já que a sua saída dificultará a capacidade da União Europeia de se afirmar com um ator global poderoso, disse ainda o ministro turco.

16h32 - Muitos internautas britânicos estão a procurar no Google informações sobre os requisitos para pedir passaporte irlandês

16h11 - Depois de os britânicos terem decidido a favor do Brexit, as tendências de palavras ou perguntas digitadas no Google evidenciam um desconhecimento sobre o que está em causa: “O que é a União Europeia?” ou “O que significa deixar a União Europeia?” estão no topo do ranking

16h00 - Inserido nas Disposições Finais do Tratado de Lisboa eis o artigo 50.º de que tanto se tem falado esta sexta feira:

1. Qualquer Estado-Membro pode decidir, em conformidade com as respectivas normas constitucionais, retirar-se da União.

2. Qualquer Estado-Membro que decida retirar-se da União notifica a sua intenção ao Conselho Europeu. Em função das orientações do Conselho Europeu, a União negocia e celebra com esse Estado um acordo que estabeleça as condições da sua saída, tendo em conta o quadro das suas futuras relações com a União. Esse acordo é negociado nos termos do n.º 3 do artigo 218.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia. O acordo é celebrado em nome da União pelo Conselho, deliberando por maioria qualificada, após aprovação do Parlamento Europeu.

3. Os Tratados deixam de ser aplicáveis ao Estado em causa a partir da data de entrada em vigor do acordo de saída ou, na falta deste, dois anos após a notificação referida no n.º 2, a menos que o Conselho Europeu, com o acordo do Estado-Membro em causa, decida, por unanimidade, prorrogar esse prazo.

4. Para efeitos dos números 2 e 3, o membro do Conselho Europeu e do Conselho que representa o Estado-Membro que pretende retirar-se da União não participa nas deliberações nem nas decisões do Conselho Europeu e do Conselho que lhe digam respeito.

A maioria qualificada é definida nos termos da alínea b) do n.º 3 do artigo 238.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia.

5. Se um Estado que se tenha retirado da União voltar a pedir a adesão, é aplicável a esse pedido o processo referido no artigo 49.º.

15h42 - Francisco Bethencourt, professor Charles Boxer do King's College (Universidade de Londres) disse ao “Público” que a votação pela saída do Reino Unido da União Europeia significa “uma derrota do projeto europeu” e deve fazer-nos “profundamente na necessidade de a Europa regressar ao seu projeto matricial, ao seu projeto fundador de solidariedade, de integração, de democracia, de economia social”.

15h40 - “Nós respeitamos a escolha que o povo do Reino Unido fez. A nossa primeira tarefa tem que ser ter a certeza que a incerteza criada por estes acontecimentos não irá atingir as famílias aqui nos EUA”, afirmou ​Hillary Clinton.

15h29 - O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, disse ao “Guardian” que os advogados da UE estão a perceber se é possível acelerar a saída do Reino Unido da União Europeia, uma vez que o artigo 50.º do Tratado de Lisboa prevê um prazo de de dois anos para negociar a saída de um país do bloco europeu.

“A incerteza é o oposto daquilo que precisamos. É difícil aceitar que um continente inteiro esteja refém de uma guerra interna no partido conservador. Eu tenho dúvidas de que isto esteja apenas nas mãos do Reino Unido. Tomamos nota desta declaração unilateral - que querem esperar até outubro - mas essa não tem que ser a última palavra”, disse Schulz.

15h17 - “O povo do Reino Unido falou e nós respeitamos a decisão. A relação especial entre os Estados Unidos e o Reino Unido é duradoura e a participação do Reino Unido na NATO continua a ser uma pedra angular e vital da política económica, de segurança e externa dos EUA”, declarou Barack Obama.

De acordo com o Presidente norte-americano,“o mesmo sucede com a União Europeia, frisando que “tanto tem contribuído para promover a estabilidade, o crescimento económico e estimular e promover a disseminação dos valores e ideais democráticos em todo o continente europeu e para além dele”.

“O Reino Unido e a União Europeia continuarão a ser parceiros indispensáveis dos Estados Unidos, mesmo neste momento, em que começam as negociações para garantir a manutenção da estabilidade, segurança e prosperidade da Europa,da Grã-Bretanha, da Irlanda do Norte e do mundo", afirma o Barack Obama, em comunicado emitido pela Casa Branca”, acrescentou.

PATRICK HERTZOG/Getty

15h06 - A BBC avançou esta sexta-feira que o banco Morgan Stanley se preparava para mudar dois mil postos de trabalho para Dublin e Frankfurt, mas o banco norte-americano já veio negar essa informação, refere o “Independent”.

15h04 - O colégio de comissários europeus vai reunir-se na próxima segunda-feira em Bruxelas, para preparar a cimeira que irá discutir a vitória do Brexit no Reino Unido

15h - A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde afirmou que é preciso respeitar a decisão do povo britânico e congratulou-se com a decisão do Banco de Inglaterra e do Banco Central Europeu de injetarem liquidez no sistema financeiro.

“Tendo em conta a decisão do povo do Reino Unido, apelamos às autoridades britânicas e da UE que cooperem para assegurar uma transição suave na relação económica entre o país e bloco europeu.(...) Iremos continuar a acompanhar os desenvolvimentos de perto e estar disponíveis para apoiar os membros se for necessário”, disse Lagarde

14h51 - Bolsa Nasdaq regista maior quebra desde novembro de 2011.

14h49 - A CGTP considera que o resultado do referendo no Reino Unido representa “uma profunda derrota para os interesses do grande capital britânico, bem como para todos os seus aliados da União Europeia”. Resultado confirma ainda, diz a central sindical, a “rejeição das políticas federalistas e neoliberais impostas aos trabalhadores e aos povos da União Europeia”.

14h40 - Sadiq Khan, “mayor” de Londres, escreveu no Twitter: “Quero enviar uma mensagem clara a todos os europeus residentes em Londres - vocês são muito bem-vindos aqui. Como cidade, estamos gratos pelo enorme contributo que vocês deram, e isso não irá mudar, mesmo que o resultado do referendo tenha sido este. Há quase um milhão de cidadãos europeus a viver em Londres atualmente e eles trazem grandes benefícios para a nossa cidade - trabalhando de forma incansável, pagando taxas, trabalhando nos nossos serviços público e contribuindo para a nossa vida cívica e cultural. Todos nós temos a responsabilidade de ultrapassar as divisões que emergiram por causa desta campanha e focar-nos naquilo que nos une, em vez de naquilo que nos divide”.

14h29 - Assunção Cristas diz que “Portugal deve dar um exemplo de tranquilidade, reflexão e otismismo”, numa altura em que a Europa vive “um momento de inquietude e de transformação” com a saída do Reino Unido da União Europeia. Na sua opinião, a decisão tomada pelos ingleses no referendo pode ter um efeito de contágio, uma vez que já se veem “populismos por toda a Europa a falarem nesse sentido”.

14h18 - O PCP saudou o resultado do referendo no Reino Unido, considerando que é “uma vitória sobre o medo, as inevitabilidades, a submissão e o catastrofismo”, abrindo “um novo patamar de luta” contra a União Europeia. João Ferreira, eurodeputado do PCP, afirmou que a vitória da saída do Reino Unido “representa uma alteração de fundo no processo de integração capitalista na Europa e um novo patamar de luta daqueles que se batem há décadas contra a União Europeia do grande capital e das grandes potências, e por uma Europa dos trabalhadores e dos povos”, refere a Lusa.

13h59 - O antigo ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis disse, em entrevista à Bloomberg TV, que a União Europeia está agora num “estado avançado de desintegração”, defendendo que muitos ciddaãos poderiam votar contra a manutenção da UE se tivessem esse oportunidade

13h57 - Segundo o primeiro-ministro helénico, a vitória do Brexit alerta para a necessidade de a União Europeia alterar as suas políticas. O resultado, defende Alexis Tsipras, deve ser o “acordar do sonâmbulo que avança no vazio, uma perigosa via de regressão para os nossos povos”

13h44 - Pedro Duarte, antigo deputado do PSD e ex-responsável pela campanha presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa, defende que a saída do Reino Unido da União Europeia também poderá ser positiva a médio e longo prazo. “Pode haver aqui uma oportunidade interessante para os países do sul da Europa, em que se inclui Portugal, reestabelecerem o equilíbrio nas instituições europeias e obrigarem a Alemanha a inverter a sua postura de imposição de políticas nefastas para a coesão europeia”, afirmou ao Expresso Pedro Duarte.

13h34 - Em comunicado, o Lloyds Banking Group garante que
continuará comprometido com vista a ajudar a economia do Reino Unido. “Não há qualquer alteração nos produtos e serviços oferecidos aos clientes, quer no Reino Unido ou fora. Os clientes podem continuar a utilizar os nossos serviços bancários e de seguros como no passado”, afirma o banco.

13h08 - Foram os eleitores mais velhos que votaram a favor da saída do Reino Unido da União Europeia, ignorando o apelo de David Cameron para votarem no sim pelas gerações mais novas. Veja a análise no site do YouGov

12h50 - “O Reino Unido é o maior prejudicado com esta escolha”. Espera-se uma menor facilidade de circulação de mão-de-obra entre Portugal e o Reino Unido, bem como o surgimento de dificuldades ao nível das relações comerciais, defendem Muradali Ibrahimo e António Afonso, dois professores do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG).

Na opinião deste docentes, o efeito para Portugal poderá ser sentido “ao nível das trocas comerciais, as quais poderão sofrer alguma redução com uma imposição de tarifas à importação por parte do RU, bem como uma menor facilidade de circulação de mão-de-obra entre Portugal e o RU. Nesse caso, também se poderá esperar um aumento da inflação no Reino Unido.”

12h37 - O líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corby, deve enfrentar uma moção de censura no parlamento. As deputadas Margaret Hodge e Ann Coffey defenderam que os resultados deste referendo mostram que a “liderança do partido falhou”, avança a SkyNews.

12h36 - Na Euronext Lisbon, o BCP afunda 15,6% e é quem mais perde com o nervosismo provocado pelo Brexit

12h16 - O Presidente francês François Hollande disse que “lamenta profundamente” o resultado do referendo que dita a saída do Reino Unido da União Europeia. A UE deve, disse Hollande, deve proceder a mudanças de modo a seguir em frente. Hollande, que falava em direto para uma televisão, afirmou ainda que o resultado do referendo vai pôr a Europa à prova e apelou ao reforço das políticas industriais e de segurança.

12h18 - António Costa admite que esta sexta-feira é um dia triste para a União Europeia (UE), mas considera que esta deve ser uma oportunidade para os 27 Estados-membros “refletirem sobre o que significam estes resultados.” “A questão não é termos mais ou menos Europa, é termos melhor Europa”, defendeu o primeiro-ministro, sublinhando ainda que a aliança entre Portugal e o Reino Unido é antiga e irá continuar “muito para além daquilo que será a saída” do país do bloco europeu

12h08 - Sara Falcão Casaca, professora do ISEG (Universidade de Lisboa), especialista em estudos de género, em declarações ao jornal Público: “...Longe de ser única, esta é seguramente uma forte preocupação, principalmente porque é indissociável de uma inquietação maior e de fundo: o sonho (de Europa) que muitas e muitos de nós julgávamos ser inteiramente colectivo e mobilizador está em risco de desintegração. Não poderia (agora) ser mais evidente. É um resultado muito preocupante. Este é seguramente um dia triste e de muitas incertezas.”

11h54 - Instado a responder sobre o que esperava do motor franco-alemão, o presidente da Comissão Europeia disse : “Espero uma posição clara, que para todos seja claro e necessário que o processo de incerteza em que entrámos não dure muito tempo”. “É preciso acelerar as coisas”, acrescentou.

Questionado pelos jornalistas sobre se a vitória do Brexit significa o fim da União Europeia, o presidente da Comissão Europeia disse que não, saindo depois da sala.

11h53 - “Num processo livre e democrático, o povo britânico exprimiu o desejo de sair da União Europeia. Lamentamos esta decisão mas respeitamo-la. Trata-se de uma situação sem precedentes mas estamos unidos na nossa resposta. Permaneceremos fortes e defenderemos os valores essenciais da UE de promover a paz e o bem-estar dos seus povos. A União de 27 Estados-Membros irá continuar”

FRANCOIS LENOIR / Reuters

11h52 - Angela Merkel admite que a vitória do Brexit no referendo do Reino Unido constitui um “golpe” para a Europa, defendendo que se pode esquecer nessa altura de que a “unificação europeia assenta sobre uma ideia de paz”.

KAY NIETFELD

11h38 - A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, abriu a porta a um segundo referendo, sublinhando que quer explorar todas as opções para ficar na UE. “Estou orgulhosa do país e da forma como votámos ontem. Dissemos claramente que não queremos deixar a União Europeia”, afirmou Nicola Sturgeon

11h30 - O antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair diz que a vitória pela saída do Reino Unido da Europa “é muito triste para o nosso país, para a Europa e para o mundo”. Em entrevista à Sky News, Blair apelou a uma “resposta matura e refletida”. “Haverá consequências muito grandes, precisamos de pensar no nosso rumo de forma muito cuidadosa. Mas não preciso de escondê-lo: para mim, hoje é um dia triste, muito triste”, disse o antigo primeiro-ministro.

11h23 - O primeiro-ministro belga pede a realização de um “conclave” sem os britânicos já a partir de julho. Charles Michel fez hoje um “apelo solene” aos Chefes de Estado e de Governo da UE para que a reunião se realize com o objetivo de dar novo gás ao projeto europeu. O governante belga diz que é preciso definir “ao mais alto nível as grandes orientações políticas do futuro da Europa” sobre o mercado interno, a energia, o mercado digital e o “aprofundamento da União Económica e Monetária”. Lamentado a decisão dos britânicos, Michel diz ainda que é necessário transformar este “momento difícil” numa “oportunidade”.

11h21 - O PS apela à criação pela diplomacia portuguesa de uma estrutura de missão para acompanhar os interesses estratégicos entre Portugal e o Reino Unido. “No plano nacional impõe-se que a diplomacia portuguesa atue de forma vigorosa e atenta, criando, eventualmente, uma estrutura de missão que neste período de transição acompanhe e vigie os interesses estratégicos e bilaterais portugueses em relação ao Reino Unido”, declarou o presidente socialista, Carlos César.

11h08 - O primeiro-ministro, António Costa, irá reagir esta sexta-feira, por volta ao meio-dia, no Porto, ao resultado do referendo no Reino Unido, que ditou a vitória do ‘Brexit’, saída do país da União Europeia, informou o gabinete do chefe do Governo a agência Lusa

10h55 - O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, desvalorizou a importância do referendo britânico para o país, realçando que é um “assunto interno” do povo britânico", disse Lavrov em resposta a uma pergunta dos jornalistas.

REINHARD KRAUSE/REUTERS

10h31 - Numa declaração divulgada no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa afirma que é preciso respeitar a vontade do povo britânica expressa no referendo. “Devemos respeitar com serenidade a decisão da maioria do povo britânico, na certeza de que o projeto europeu se mantém válido na defesa dos valores que, desde há muitos séculos, marcam a nossa identidade comum. Quero salientar que Portugal, como vem sucedendo desde há 30 anos, deverá continuar a manter o seu empenhamento nos ideais de paz, liberdade, democracia, bem-estar e desenvolvimento em comum, que está no cerne da construção europeia, como um eixo central da visão e da estratégia nacionais para o futuro dos portugueses e do nosso País”.

O Presidente da República manifesta ainda a “convicção de que os interesses de Portugal, bem como os dos portugueses a viver e a trabalhar no Reino Unido, continuarão a ser prosseguidos não obstante esta decisão.”

DR

10h28 - O líder parlamentar do PSD diz que o projeto europeu tem que se adaptar agora à nova realidade, lamentando a vitória do Brexit.

Luís Montenegro defendeu, porém, que é preciso respeitar a “manifestação da vontade livre e democrática” do povo britânico, sustentando ainda que Portugal deve continuar a contribuir para o “espaço de paz e prosperidade económica que é a União Europeia.”

10h13 - Para Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, este é um dia “triste”. “Em primeiro lugar, lamentamos profundamente, mas respeitamos a decisão do povo britânico. Hoje é um dia triste, é mau dia para a Europa, mas a Europa tem de seguir em frente”, disse o ministro à agência Lusa.

O governante sublinhou ainda que Portugal tem uma comunidade “muito forte” no Reino Unido e reiterou que “os interesses da comunidade serão protegidos e defendidos pelas autoridades portuguesas”.

10h05 - O primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen, declarou que o resultado do referendo no Reino Unido é “muito triste para a Europa e para a Dinamarca”, reafirmando que não interfere na posição do país em relação à União Europeia.

09h58 - Caiu a primeira pedra da União Europeia, diz Pedro Filipe Soares, deputado do Bloco de Esquerda. “O referendo que o BE defendeu foi sempre negado. Sempre que houve referendo não foi cumprido o desejo do povo. Depois não se podem admirar que as pessoas voltem as costas. O que está a acontecer é a desagregação da UE, de joelhos perante um argumnetário da extrema-direita”, disse à “TSF”.

09h54 - O antigo mayor de Londres, Boris Johnson, que fez campanha pela saída do Reino Unido da União Europeia, saiu hoje da sua casa em Londres sem falar aos jornalistas, tendo sido vaiado pelas pessoas que aguardavam no local. Estava prevista uma declaração do responsável esta manhã.

09h45 - “O povo britânico decidiu deixar a União Europeia. Como isso define o próximo capítulo na sua relação com a União Europeia, eu sei que a posição do Reino Unido na NATO irá permanecer inalterada. O Reino Unido irá continuar um aliado forte e comprometido da NATO, e continuará a desempenhar o seu papel de liderança na nossa Aliança”, afirmou o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, garantindo que a Aliança Atlântica manterá uma cooperação próxima com a UE.

09h44 - João Soares, ex-ministro da Cultura socialista, diz que neste dia é preciso “invocar a memória de Churchill”, numa publicação na sua conta pessoal do Facebook. É preciso “reconhecer o que a Europa deve à tenacidade britânica. Refletir sobre a decisão de ontem e o que representa para todos nós, na EU”, escreveu, acrescentando uma das famosas citações do político britânico que comandou o Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial.

"We shall go on to the end. We shall fight in France, we shall fight on the seas and oceans, we shall fight with growing confidence and growing strength in the air, we shall defend our island, whatever the cost may be. We shall fight on the beaches, we shall fight on the landing grounds, we shall fight in the fields and in the streets, we shall fight in the hills; we shall never surrender."

09h41 - Donald Trump afirmou que a vitória do Brexit é “fantástica” e que permitirá ao povo britânico“recuperar o seu país”. O possível candidato do Partido Republicano às presidenciais norte-americanas falava durante a a reinauguração do seu hotel Trump Turnberry, na Escócia.

09h35 - Angela Merkel e François Hollande convocaram reuniões de emergência esta manhã para discutirem as consequências da vitória do ‘Leave’ no referendo do Reino Unido.

09h27 - Quando o Reino Unido faz pop”. Leia aqui a opinião de Miguel Cadete sobre a vitória do Brexit no referendo

09h26 - “Estamos muito tristes com esta decisão dos votantes no Reino Unido”, reage o Presidente do Parlamento Europeu. Martin Schulz reconhece, no entanto que se trata de uma decisão soberana. “É um momento difícil para os dois lados”, diz ainda, adiantando que o Parlamento Europeu tem um “papel ativo” no processo de negociações de saída do Reino Unido. “Estamos preparados para contribuir com todos os meios para um processo construtivo”, lembrando que é necessário garantir que haja “estabilidade” , nomeadamente na zona euro.

09h23 - Francisco Louçã, ex-líder do Bloco de Esquerda, escreve, num artigo de opinião no “Público”, que o resultado do referendo do Reino Unido é também sinónimo do fim do projeto europeu: “O sonho acabou. A União Europeia é um projeto falhado.”

Louçã aponta culpas a Cameron, na sua “aventura apoiada a contragosto pelas autoridades europeias” e consequências previsíveis. “A Escócia pode a partir de hoje escolher ser independente e a Irlanda pode escolher unificar-se, pelo menos duas consequências merecidas. Na Europa, tudo mau: falharam os subterfúgios, falhou a interpretação dos tratados a la carte, falhou o medo dos grandes mas cresce o medo dos pequenos”, escreveu.

09h17 - Marine Le Pen congratulou-se com a decisão do povo britânico, defendendo que quer uma consulta popular semelhante em França.

09h14 - O mayor de Londres escreveu no Twitter que a cidade britânica continuará a ser bem sucedida, apesar da vitória do Brexit no referendo.

09h11 - A secretária de Estado das Assuntos Europeus, Margarida Marques, diz lamentar a “decisão democrática” do Reino Unido, em declarações à “TSF”. “Da parte do Governo português, manteremos uma atitude construtiva e empenhada nos processos negociais, no sentido de definir uma relação futura entre a União Europeia e Reino Unido”, afirmou.

Margarida Marques admitiu ainda que “há algum tempo que a Europa enfrenta uma explosão de populismos” e que este resultado no Reino Unido irá estimular novos referendos em países cuja onda eurocética tem vindo a crescer.

08h58 - União Europeia: o primeiro dia do resto da sua vida. Leia aqui a opinião de Nicolau Santos, diretor-adjunto do Expresso, sobre a vitória do Brexit

08h57 - A thousand natural shocks”. Leia aqui a opinião de Pedro Santos Guerreiro, diretor do Expresso, sobre o resultado do referendo no Reino Unido

08h55 - Luís Amado, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, afirmou em reação ao resultado do referendo que estamos perante “o fim do Reino Unido”. Em declarações à TSF, o ex-ministro socialista considera inevitável a prazo a independência da Escócia e da Irlanda do Norte e o crescimento dos nacionalismos por toda a Europa.

Amado considera que a UE tem que dar uma resposta política ao que aconteceu, estando agora as atenções centradas no eixo Paris-Berlim.

​08h49 - O diretor do Banco de Inglaterra, Mark Carney, afirma que o sistema financeiro do Reino Unido está bem capitalizado e é resiliente.

08h31 - “Agora que a decisão de sair da UE foi tomada, temos de encontrar a melhor forma e eu vou fazer tudo o que puder para ajudar”, prometeu Cameron.

08h30 - “O Reino Unido seria sempre mais forte, mais seguro e melhor.”

08h28 - “Temos que estar preparados para uma negociação com a UE”, afirma Cameron, assegurando que não haverá mudanças imediatas para os cidadãos europeus que vivem no país.“Nada muda para já a vossa situação”, avisou.

08h24 - “O país precisa de uma nova liderança para conduzir esse caminho, não penso que seria correto ser eu o comandante a guiar o navio até ao próximo destino”, acrescenta o primeiro-ministro britânico, anunciando a intenção de deixar deixar o cargo em outubro. “A negociação com a UE tem de começar com um novo primeiro-ministro”, sustentou.

08h21 - “Não pode haver dúvidas em relação ao resultado”, diz David Cameron numa declaração ao país, garantindo que a vontade dos britânicos será respeitada. O povo do Reino Unido tomou uma “decisão muito clara”, realçou o primeiro-ministro à porta da sede do governo, em Londres.

08h12 - O ministro dos Negócios Estrangeiros espanhol anunciou que o país vai lutar pela soberania de Gibraltar.

06h12 É oficial: com 16,835,512 mil votos contra 15,692,093 (uma diferença de cerca de um milhão de votos), o 'Sair' já ultrapassou o número de votos necessário para garantir a vitória. Este minuto a minuto fica por aqui - com a certeza de que assistimos a um momento histórico juntos. Obrigada por ter escolhido acompanhá-lo connosco.

06h01 Depois de Geert Wilders, a vez de Marion LePen, sobrinha de Marine LePen: "Os franceses devem ter o direito de escolher!", escreve.

05h56 O ex-PM e até há bem pouco tempo ministro das Finanças da Finlândia, Alexander Stubb, está incrédulo com este resultado:

05h39 Geert Wilders, líder do eurocético Partido da Liberdade holandês, pede um referendo semelhante ao britânico para o seu país:

05h33 A participação eleitoral ficou oficialmente nos 72%, o valor mais elevado numa votação nacional no país desde 1992.

05h28 Começam a surgir as primeiras reações. Caroline Lucas, única deputada dos Verdes e novamente candidata à liderança do partido, diz-se "de coração partido". Paddy Ashdown, ex-líder dos Liberais Democratas deixa um pedido: "Deus ajude o nosso país".

05h25 Os escoceses, que votaram esmagadoramente a favor de permanecer na UE (62%) não estão felizes. Nicola Sturgeon, líder do Partido Nacional Escocês, já se pronunciou: "Embora os resultados gerais ainda não tenham sido declarados, a votação aqui deixa claro que o povo da Escócia vê o seu futuro como parte da União Europeia (...). Vamos esperar pelo resultado final a nível nacional, mas a Escócia falou - e falou de forma decisiva."

05h22 Se dúvidas houvesse sobre os resultados, basta olhar para os rostos dos membros das duas campanhas. Falta apurar os resultados de apenas 32 circunscrições.

Rob Stothard

Christopher Furlong

05h03 E os mercados não estão a reagir nada bem a este resultado, como nos conta o Jorge Nascimento Rodrigues. "Espera-se uma sexta-feira negra."

04h58 Os resultados por regiões até agora, segundo a BBC, quando falta apurar resultados em menos de 60 localidades:

Inglaterra: 'Ficar' 11,113,232 votos (46.4%), 'Sair' 9,611,351 votos (53.6%)
Irlanda do Norte: 'Ficar' 408,744 votos (55.3%), 'Sair' 330,783 votos (44.7%)
Escócia: 'Ficar' 1,661,191 votos (62%), 'Sair' 1,018,322 votos (38%)
País de Gales: 'Ficar' 772,347 votos (47.5%), 'Sair' 854,472 votos (52.5%)

04h43 A BBC, a ITV e a Sky News acabam de prever a vitória do 'Sair' neste referendo. Parece que vamos mesmo ter Brexit.

04h40 A maldição europeia?

04h28 O "Politico" chama-lhe "o prego no caixão do Bremain": Birmingham, a segunda maior cidade do país, preferiu o 'Sair' (50,7%) ao contrário do que previam as sondagens. Este pode bem ser o resultado que consolida um Brexit.

04h25 Não tardaram a surgir vozes que discordam fortemente de Farage. Para além dos que criticaram a frase "conseguimo-lo sem disparar uma única bala", recordando o assassínio da deputada Jo Cox, Richard N. Haass, presidente do Council on Foreign Relations, diz que em caso de vitória do 'Sair', este não será o "dia da independência do Reino Unido", mas sim o princípio do fim do país.

04h20 Entretanto, a libra atingiu mínimos históricos: 1,36 dólares, o valor mais baixo dos últimos 31 anos.

04h17 E mais um pouco das declarações do líder do UKIP:

"A aurora rompe num Reino Unido independente. Esta será uma vitória das pessoais reais, das pessoas comuns, das pessoas decentes. (...) Conseguimo-lo sem disparar uma única bala. (...) Deixem que o 23 de junho fique na nossa História como o dia da independência."

04h08 Depois de praticamente ter admitido a derrota ao início da noite, Nigel Farage reaparece a reclamar vitória: "Espero que esta vitória deite abaixo este projeto falhado".

04h04 Declan Kearney, deputado do Sinn Féin no parlamento da Irlanda do Norte, é perentório: se o 'Sair' vencer mas não for esse o sentido de voto maioritário na Irlanda do Norte, o Sinn Féin vai pedir um referendo sobre a permanência da região no Reino Unido.

04h Manchester vota 'Ficar', como já se esperava (60% vs. 39%).

03h56 Os mercados não estão de todo a gostar do rumo da votação. Esta noite, a libra já desceu 7%, estando agora a valer $1,37 - o seu valor mais baixo desde 2009.

03h50 Com mais de metade dos resultados apurados, o 'Sair' segue à frente com 51,6% dos votos. Uma boa altura para ler o texto da revista "Prospect" com algumas perguntas e respostas sobre o que pode acontecer em caso de Brexit.

03h46 Para Jacob Rees-Mogg, deputado conservador pró-Brexit, há pouca ligação entre governantes e povo no Reino Unido de hoje. Comentando os resultados na BBC, o deputado acrescentou, a propósito de um cenário de Brexit: "A praga de sapos e a morte dos primogénitos que foi prevista durante a campanha não vai acontecer."

03h39 Por outro lado, Edimburgo - segundo maior cidade da Escócia - confirmou a tendência pró-manutenção: 187 mil votos a favor de ficar na UE, 64 mil contra. São 74% contra apenas 26%, com uma participação eleitoral acima dos 70%.

03h32 Sheffield acabou por preferir a saída - embora por pouco, com apenas 6 mil votos a separar o 'Sair' (136 mil) do 'Ficar' (130 mil). As sondagens previam uma vitória do 'Ficar'.

03h19 Os jornais "The Times" e "Financial Times" têm novas primeiras páginas:

03h04 O site "Politico" fez um resumo das tendências que se têm vindo a registar por região, que pode ser útil:

Inglaterra do Norte: largamente a favor do 'Sair', quer no noroeste, quer no nordeste, com a votação em Sunderland a pesar para o lado do Brexit.

País de Gales: até agora, na sua grande maioria a favor da saída.

Londres: fortemente a favor de 'Ficar'. Algumas zonas registam até 75% a favor da manutenção na UE.

Midlands (centro do país, em Inglaterra): É provável uma vitória do 'Ficar', mas os resultados de Birmingham serão decisivos.

Escócia: vitória praticamente certa do 'Ficar'.

02h56 Os resultados têm sido tão díspares que as campanhas pelo 'Sair' e pelo 'Ficar' não sabem o que pensar e vão da alegria à tristeza em segundos. Veja na fotogaleria:

1 / 5

Jack Taylor

2 / 5

Rob Stothard

3 / 5

Jack Taylor

4 / 5

Rob Stothard

5 / 5

Rob Stothard

02h41 Os resultados em Londres têm dado uma ajuda ao 'Ficar', como explica James Forsyth da "Spectator": em Wandsworth, o 'Ficar' "ganhou o bairro por mais do que era esperado [com 75%], indicando que Londres pode bem vir salvar a situação" da campanha. Por outro lado, também sugere que o resultado será renhido. "Isto significa que o Reino Unido enfrenta a possibilidade de ser uma nação amargamente dividida", escreve.

02h30 Graças aos escoceses, o 'Ficar' volta a ficar à frente, com 50,7% dos votos. Manter-se-á?

02h25 E na Escócia também estão decididos a ficar: 168 mil pessoas a favor do 'Ficar' em Glasgow, maior cidade escocesa, contra apenas 84 mil pela saída. Em caso duma vitória nacional pelo Brexit, mas com a Escócia a votar pela manutenção, a causa independentista escocesa pode ganhar novo fôlego.

02h22 Não há dúvidas sobre a posição dos britânicos em Oxford: 70% a favor do 'Ficar', contra apenas 30% pelo 'Sair'.

02h19 Sir Vince Cable, ex-ministro da Economia, diz: "Parece que o 'Sair' está a ganhar vantagem". E acrescenta que se tal resultado vier a confirmar-se, os dias de David Cameron como PM estão a chegar ao fim.

02h16 Dos mercados não nos chegam boas notícias, como dá conta o Jorge Nascimento Rodrigues. A Ásia vira para o vermelho, enquanto a libra continua volátil. Efeitos dos resultados do referendo?

02h06 O antigo presidente da YouGov resume bem o sentimento geral no Reino Unido, às 2 da manhã. Se locais como South Tyneside ou Western Isles e East Ayrshire (Escócia), bem como Westminster e a City na capital votaram favoravelmente à manutenção na UE, Largan Valey, Strangford (Irlanda do Norte) Weymouth and Portland (sul) e Swansea (País de Gales) preferiram a saída. Por enquanto, o 'Sair' está à frente, com cerca de 723 mil votos a favor de um Brexit e 675 mil contra. Ainda falta apurar resultado de 382 áreas.

01h17 Em Manchester o cenário pode ser bem diferente. É isso que nos conta a Ana França, que esteve na Câmara Municipal aquando do fecho das mesas de voto: entre as últimas 42 pessoas que votaram, nem um escolheu a saída.

01h15 Mais um resultado a favor da saída: 61% pelo Brexit em Kettering.

01h À uma da manhã, a contagem nacional colocal o 'Sair' em vantagem: 50,7% contra 49,3%. Veremos se a tendência se mantém ao longo desta madrugada.

00h58 E agora surge mais uma vitória para o 'Sair': 54,7% em Swindon, no sudoeste do país.

00h56 Chuka Ummuna, o ex-candidato a líder dos trabalhistas, declara: "Somos um país dividido, é a conclusão a tirar." E acrescenta: "Isto deve-se a estarmos a passar por grandes mudanças, com a tecnologia a revolucionar tudo e mais concorrência internacional."

00h54 No pequeno círculo das ilhas Scilly, a maioria preferiu ficar: 56,4% contra 43,6%, com uma participação alta de 79%.

00h47 Mais uma de Farage: "Se o 'Ficar' ganhar, é porque dois milhões se insçreveram no dia a mais que o Governo deu para o registo eleitoral", disse o homem do UKIP a propósito do dia concedido pelas autoridades para compensar os eleitores que não se conseguiram inscrever devido a avaria informática no último dia do prazo.

00h41 A participação nos locais já apurados tem ficado acima dos 70%, em média. Na City de Londres, sabe-se agora, o valor chegou aos 73%.

00h37 Farage, o pêndulo. Depois de várias declarações onde aparentava admitir a derrota, o líder do UKIP vai negando que o tenha feito. E remata: "Independentemente de quem ganhar esta batalha, nós estamos a ganhar esta guerra."

00h33 A queda da libra em gráfico:

00h28 E os resultados de Sunderland (82 mil votos pelo Brexit contra cerca de 35 mil a favor da manutenção) podem já ter provocado reações. O editor de economia da BBC diz que a libra acabou de cair:

00h25 Em Sunderland, a vitória foi para o 'Sair'. Será um fenómeno exclusivo do nordeste do país ou um cenário mais geral?, pergunta a "Spectator".

00h18 Resultados em Clackmannashire: 14.691 votos para o 'Ficar' contra 10.726 para o 'Sair'.

00h08 Em Newcastle já se conhecem resultados: vitória para o 'Ficar' por 65 mil votos contra 63 mil a favor do 'Sair'. Um resultado muito renhido, ao contrário do que aconteceu em Gibraltar, onde mais de 19 mil votaram pelo 'Ficar' e apenas 823 pessoas pelo Brexit.

00h02 A "Spectator" destaca que os primeiros sinais indicam que a participação eleitoral será mais alta do que nas eleições gerais de 2015, dando como exemplo a participação em Newcastle de 68% (comparado com 62% nas legislativas) e em Orkney, também de 68% (vs. 65%).

23h53 "Há muitos fatores emocionais nesta votação"

António Costa Pinto, em direto na Renascença.

23h49 Aqui estão as capas de amanhã de alguns jornais britânicos:

23h44 Por cá, os principais atores políticos vão comentando a noite eleitoral. O ministro dos Negócios Estrangeiros declara que se o 'Ficar' tiver vencido, esta "será uma vitória política para toda a Europa". Já o Presidente da República assegura: “Continuo notívago, estarei às 4h, se tudo correr como espero, a comemorar uma decisão no sentido de que o Reino Unido continuará a ser União Europeia.”

23h41 "Os mais jovens são menos saudosistas é mais europeístas"

Henrique Monteiro, em direto na Rádio Renascença.

23h40 O "Guardian" aponta para um pormenor interessante: apesar de tudo, os britânicos até nem são os mais céticos em toda a UE. Um estudo da Pew Research do início do ano dava conta de que a maioria das pessoas descontentes com a União concentram-se na Grécia (71%) e em França (61%).

23h34 Em Leeds, pouco antes do fecho das urnas, este era o ambiente que se vivia por lá, como nos contou a Ana França.

23h32 "A geração mais velha é a última geração do Império"

António Goucha Soares em direto na Renascença compreende a separação geracional no Reino Unido. Os mais velhos serão mais favoráveis à saída, os mais novos à manutenção na UE.

23h28 Nigel Farage parece estar mesmo conformado com uma vitória do 'Ficar'. O líder do UKIP disse à "Press Association" que esse deverá ser o resultado, tendo em conta o que soube por alguns dos seus amigos "nos mercados financeiros, que fizeram grandes sondagens".

23h25 "Se o 'ficar' ganhar será uma grande vitória dos jovens"

Eurico Brilhante Dias, convidado da Renascença na edição em direto do pub inglês The George, em Lisboa, em declarações para o Expresso, realça o papel dos jovens europeístas no referendo britânico pela manutenção ou saída da UE.

23h10 Entretanto, o Conselho de Diretores vai-se pronunciando no pub The George. Pode acompanhar a emissão na Rádio Renascença. Veja aqui a fotogaleria:

1 / 5

Tiago Miranda

2 / 5

Tiago Miranda

3 / 5

Tiago Miranda

4 / 5

Tiago Miranda

5 / 5

Tiago Miranda

23h Boris Johnson, figura de relevo da campanha pela saída, faz uma primeira declaração no Twitter: "As assembleias de voto já fecharam, fez-se democracia. Esperamos pelo veredicto do povo. Obrigado a todos os envolvidos e a todos os que votaram."

22h56 "É altura das lideranças perceberem que 'é a política, estúpidos!'"

Diogo Feio, convidado da Renascença na edição em direto a partir do pub inglês The George, em Lisboa, para o Expresso.

22h51 E a primeira capa de um jornal a ser conhecida é a do pró-Brexit "The Sun".

22h48 "Seja qual for o resultado, a Europa amanhã acordará diferente"

Graça Franco, diretora de informação da Rádio Renascença, afirma que os impactos europeus do referendo são inevitáveis. Qualquer que seja o resultado. A Renascença está em emissão especial sobre o Brexit em direto do pub inglês The George, em Lisboa, numa parceria com o Expresso.

22h42 As previsões da Ipsos MORI também apontam para uma vitória do 'Ficar': 54% vs. 46%, diz o seu diretor Ben Page. Há alguns dias, Page previa ao Expresso que esta campanha se decidiria "pelas emoções".

22h36 Expresso e Renascença em direto:

A Rádio Renascença está em direto do pub inglês The George, em Lisboa, em edição permanente sobre o referendo britânico. A edição inclui o programa Conselho de Diretores, uma parceria com o Expresso. Pedro Santos Guerreiro, Henrique Monteiro e Graça Franco compõem o painel fixo, moderado por José Pedro Frazão. Outros convidados estarão em direito, como Rui Costa Pinto, Duarte Marques, Eurico Brilhante Dias, Diogo Feio, Raquel Vaz Pinto e outros. Acompanhe em direto na Renascença.

22h30 O deputado conservador Robert Syms divulgou uma carta assinada por 84 deputados dos Tories que defendem o 'Sair' a pedir para que David Cameron se mantenha como primeiro-ministro depois do referendo, independentemente do resultado.

22h23 Enquanto uma fonte da campanha pelo 'Ficar' diz ao "Guardian" que do seu lado não entrarão para já em euforias: "Queimámo-nos com a YouGov no ano passado."

22h20 Iain Duncan Smith, antigo ministro e membro da campanha pela saída: "Sinceramente não tenho ideia [do resultado], porque estamos a navegar em águas desconhecidas". Quanto à declaração de Farage, Duncan Smith desvaloriza: "Nunca ligo ao que Nigel Farage diz, já que muitas vezes ele diz duas coisas diferentes ao mesmo tempo".

22h12 A declaração de derrota de Nigel Farage? "Parece que o 'Ficar' vai conseguir", disse o líder do UKIP.

22h07 E já temos a primeira - e única - projeção da noite. O YouGov diz prevê uma vitória para o 'Ficar', por 52% contra 48% a favor do 'Sair'. Contudo, como escreve o "Financial Times", "recordem que esta é uma sondagem muito mais pequena do que as habituais sondagens à boca das urnas".

22h E as urnas já fecharam. Apenas aqueles que já estão na fila para votar o podem fazer. Todos os outros, já não vão a tempo.

21h50 "Não nos deixem!", pediu a revista "Der Spiegel". O "Politico" reflete sobre por que razão os alemães estão tão preocupados com a possibilidade de um Brexit - e como acordaram tarde para essa possibilidade.

21h40 Uma das incógnitas sobre este referendo é a participação eleitoral - sendo que a chuva pode não ajudar. O "Economist" reuniu os dados sobre a participação noutras eleições passadas (no Reino Unido) neste gráfico, acompanhado de um pequeno comentário. Destacamos o seguinte: "As votações em referendo - graças à sua escolha binária clara e à sensação de ter uma ação direta no resultado - podem atrair mais pessoas às urnas. No referendo escocês à independência em 2014, a participação foi de 85%, a mais alta em qualquer votação no Reino Unido desde a introdução do sufrágio universal em 1928."

21h18 O "Guardian" dá conta de um estudo das Universidades de Oxford e Manchester que diz que 61,6% dos eleitores mais jovens se inclinam para o 'Ficar' neste referendo, não deixando margem para dúvidas sobre a vontade deste eleitorado.

21h10 Estamos em contagem decrescente para o fecho das urnas, que fecharão com pontualidade britânica às 22h. Isso mesmo acabou de anunciar a Comissão Eleitoral, que decidiu não estender o horário da votação, apesar dos problemas que se fizeram sentir durante o dia devido ao mau tempo.

20h15 E agora um pouco daquilo a que os britânicos chamariam "food for thought". O olhar de duas revistas, a mais conservadora "Spectator" e a "New Statesman", mais à esquerda, sobre o que a campanha revelou acerca do Reino Unido atual. O "fascismo está vivo à esquerda e à direita", escreve Nick Cohen, autor do livro "O que resta da Esquerda?", na pró-Brexit "Spectator", enquanto o jornalista Stephen Bush fala numa "nova guerra" no país.

20h10 A Ana França esteve hoje em Sheffield Hallam, uma das zonas com salários médios mais altos do país e liderada por um Liberal Democrata, a tentar perceber o sentimento geral sobre este referendo. Por lá, parece haver um consenso entre os que querem sair e os que preferem ficar: a campanha foi pouco tolerante.

20h O olhar de alguns cartoonistas sobre este referendo:

19h55 Na city londrina, há apreensão pela possibilidade de um Brexit. Leia o que o Pedro Cordeiro encontrou nas mesas de voto da zona financeira da capital britânica.

19h45 Vamos a números. As sondagens mais recentes apontam para uma vitória do "Ficar" neste referendo, como resume "The Guardian": o estudo da Populus prevê uma vitória por 55%, o da Ipsos Mori 52%. Contudo, se o primeiro dá uma vantagem de mais de 10% de distância, o segundo fica-se pelos 4%. E é necessário ter em conta que os resultados das sondagens têm-se alterado bastante nos últimos dias.

Às 22h (hora de fecho das urnas), não teremos nenhuma sondagem à boca das urnas, ao contrário do que é habitual, "porque não há dados históricos comparáveis", explica o diário britânico. No entanto, teremos uma previsão do YouGov, que contactará algumas pessoas para saber se alteraram o seu sentido de voto.

19h30 Um pouco de humor para quebrar o gelo. As declarações do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, a propósito do dia de hoje, dizendo que é muito importante visto ser feriado no Luxemburgo, o seu país. O relato aqui feito pelo jornalista da televisão alemã ZDF:

19h20 Para aquecer, nada como ler os textos dos nossos jornalistas em terras de Sua Majestade. Pode começar pela reportagem da nossa correspondente Ana França em Sheffield e terminar com a análise do nosso enviado Pedro Cordeiro na edição do nosso Diário.

19h Boa tarde. Faltam três horas para fecharem as urnas no Reino Unido e é uma altura tão boa como qualquer outra para iniciar o acompanhamento minuto a minuto do que se vai passando pelo país. Não é certo qual será o resultado com que acordaremos amanhã de manhã, já que os resultados oficiais só se deverão conhecer madrugada adentro. Aconteça o que acontecer, uma coisa é certa: este dia ficará para a História. Até aos resultados oficiais, há muito para acompanhar e analisar ao pormenor, aqui com o Expresso.