Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Assange preso há cinco anos

  • 333

Julian Assange continua em asilo político no interior da embaixada do Equador em Londres, o que não o tem impedido de intervir em diversas ações como entrevistas (na imagem, a 19 de agosto) ou videoconferências

Chris Helgren/Reuters

Inicia-se hoje o quinto ano da prisão domiciliária do fundador do Wikileaks, Julian Assange, na Embaixada do Equador, em Londres. Uma série de artistas assinalam a data com músicas e discursos, em vários pontos da Europa e do mundo.

O fundador da WikiLeaks, Julian Assange, assinala hoje a entrada no quinto ano de reclusão na embaixada do Equador em Londres, onde se refugiou a 19 de junho de 2012, um aniversário marcado por manifestações de apoio em várias cidades.

Patti Smith, Brian Eno, PJ Harvey, Noam Chomsky, Yanis Varoufakis, Ai Weiwei, Vivienne Westwood, Michael Moore ou Ken Loach planeiam demonstrar o seu apoio ao "ciber guerreiro" australiano de 44 anos com canções e discursos, previstos para várias cidades europeias, entre as quais Paris, Milão e Berlim.

Outros eventos estão previstos para durante a semana em Nova Iorque, Quito, Buenos Aires e Montevideu.
Julian Assange deverá dirigir-se aos seus apoiantes por vídeo a partir do seu pequeno quarto na embaixada do Equador.

Assange está refugiado há quatro anos neste edifício de tijolo vermelho, localizado na zona exclusiva de Knightsbridge, para escapar a uma extradição para a Suécia, onde está acusado de violação, que emitiu um mandado de detenção europeu.

O ex-hacker australiano, que nega a violação, recusa render-se àquele país com receio de ser extraditado para os Estados Unidos, onde poderá ser acusado pela publicação na WikiLeaks, em 2010, de 500 mil documentos classificados como secretos sobre o Iraque e o Afeganistão e 250 mil comunicações diplomáticas.