Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tem o tamanho de Júpiter e orbita em torno de duas estrelas

  • 333

Uma imagem criada artificialmente para a NASA representando os diversos exoplanetas que o telescópio Kepler tem permitido identificar

NASA/EPA

É o maior “Tatooine” alguma vez descoberto, mas ao contrário do planeta de Skywalker da “Guerra das Estrelas”, não é desértico mas gasoso

Foi referenciado com a designação Kepler-1647b e é o maior exoplaneta circumbinário alguma vez identificado. Os exoplanetas são planetas fora do sistema solar, que orbitam em torno de outras estrelas e, no caso raro dos circumbinários, em torno de duas.

Os exoplanetas circumbinários são difíceis de detetar dada as suas órbitas irregulares, a sua identificação representa um grande desafio para os astrónomos que têm de estar atentos às mudanças do seu brilho quando passam diante de uma estrela. Durante décadas suspeitaram da sua existência até terem conseguido finalmente identificar o primeiro em 2005.

Por vezes são designados como “Tatooines”, em referência ao planeta desértico onde cresceu Luke Skywalker na saga “Guerra das Estrelas”.

A NASA confirmou agora a descoberta do 11º exoplaneta circumbinário, identificado através do telescópio Kepler. Tem o tamanho equivalente ao de Júpiter e uma idade aproximada à da Terra, cerca de 4,4 mil milhões de anos, estando a 3700 anos-luz de distância. Apesar de se situar numa zona potencialmente habitável, ao contrário de “Tatooine” não é desértico é gasoso.

As suas duas estrelas são semelhantes ao nosso Sol, sendo uma ligeiramente maior que a outra. Para além de ser o maior, é também aquele que possui a maior órbita para um planeta deste tipo até agora identificado, demorando 1107 dias a completar a orbita em torno das suas duas estrelas.

Tratando-se de um planeta gasoso, são poucas as hipóteses de a vida lá se desenvolver, mas ela poderá existir em eventuais luas orbitando à sua volta. Os astrónomos ainda não conseguiram contudo perceber se elas existem.

No mês passado a NASA revelou que a sua missão de observação através do Kepler já havia confirmado a existência de 1284 exoplanetas, nove dos quais em zonas potencialmente habitáveis.