Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Alegado ataque de suspeito militante do Daesh perto de Paris provoca três mortos

MATTHIEU ALEXANDRE

Homem que terá jurado fidelidade ao autoproclamado Estado Islâmico matou um comandante da polícia não-fardado no seu quintal, esfaqueando-o sete vezes, antes de fazer a sua mulher e filho de três anos reféns. Criança foi a única a salvar-se do ataque que foi reivindicado pelo grupo jiadista na sua agência oficial de notícias, Amaq

Um homem alegadamente afiliado ao autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) esfaqueou um comandante da polícia francesa e a sua mulher antes de ser morto pelas autoridades na noite de segunda-feira.

O ataque ocorreu no quintal do vice-comandante da polícia judiciária de Les Mureaux, Jean-Baptiste Salvaing, ao cair da noite no subúrbio de Magnanville, 55 quilómetros a norte de Paris, quando a vítima estava a chegar a casa sem uniforme. Depois de o esfaquear nove vezes no abdómen, o suspeito entrou na casa e fez reféns a sua mulher, que segundo o "The Independent" trabalhava no Ministério do Interior, e o filho do casal, de três anos.

O ataque começou pelas 20h locais; "por volta da meia-noite", e devido ao "falhanço das negociações" com o suspeito durante as quais este disse à polícia ser "um combatente" do Daesh, as autoridades decidiram entrar na casa, abatendo o suspeito a tiro e encontrando o corpo de uma mulher sem vida e a criança "sem ferimentos físicos mas em estado de choque".

Pouco depois de a operação ter sido concluída, o Daesh reivindicou o ataque numa publicação na sua agência oficial de notícias, a Amaq. A alegada ligação do suspeito ao grupo jiadista ainda não foi confirmada oficialmente — a sê-lo, será a primeira ação do grupo em França desde os atentados de novembro que provocaram 130 mortos em Paris.

Esta terça-feira de manhã, o Presidente francês irá reunir-se com conselheiros e representantes das forças anti-terrorismo no Palácio do Eliseu para discutir o incidente. "Serão apuradas as circunstâncias deste drama abominável", declarou François Hollande num comunicado ao início da madrugada.

O ataque acontece um dia depois de um outro alegado afiliado ao Daesh ter matado 49 pessoas a tiro e ferido 51 numa discoteca gay em Orlando, na Flórida. Cada vez mais especialistas questionam o verdadeiro envolvimento do Daesh nesse ataque homofóbico, dizendo que, neste momento, e perante a perda de homens e de território no Iraque e na Síria, o grupo tem todo o interesse em reivindicar ataques mesmo que sejam levados a cabo por não-militantes.

"O facto de um website ligado ao Daesh ter aplaudido [o ataque] não quer dizer nada", defende um oficial dos serviços secretos norte-americanos em declarações à Reuters. "Eles estão a perder no seu território e não é surpreendente que procurem algum tipo de vitória retorcida."

O mesmo poderá ter acontecido na segunda-feira à noite nos arredores da capital francesa. "O departamento anti-terrorismo da procuradoria de Paris está a ter em conta neste momento o modo da operação, o alvo e os comentários feitos durante as negociações" da polícia, disse fonte da investigação à AFP sob anonimato.

  • Terrorismo. Jovem francês mata um casal de polícias nos arredores de Paris

    O assassino, que disse ser “combatente do Daesh”, foi abatido pelas forças especiais de assalto à meia-noite, quando estava barricado em casa do casal de polícias que tinha assassinado à facada. O ministro do Interior francês confirmou esta manhã tratar-se de um “ato terrorista abjeto” Larossi Abballa, francês de 25 anos, matou à facada, em sua casa, em Magnanville, arredores de Paris, um comandante da polícia e a sua mulher, também ela agente policial